Negócios

TAM é proibida de vender passagens até sexta-feira

Anac puniu companhia por apresentar taxa de atrasos e cancelamentos superior a 20% -- mais alta do que a média do setor

TAM: atrasos e cancelamentos acima da média do setor  (MARCIO JUMPEI/Divulgação/TAM)

TAM: atrasos e cancelamentos acima da média do setor (MARCIO JUMPEI/Divulgação/TAM)

DR

Da Redação

Publicado em 29 de novembro de 2010 às 11h39.

São Paulo – A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) suspendeu nesta segunda-feira (29/11) a venda de bilhetes da companhia aérea TAM para todas as rotas domésticas com decolagem prevista até a próxima sexta-feira, dia 3 de dezembro. A intenção é evitar a ampliação dos problemas para os passageiros.

A agência reguladora afirmou que a companhia está apresentando atrasos e cancelamentos acima da média do setor. Nesta segunda-feira o índice foi superior a 20% -- 57 em um total de 267 voos programados. A Gol registrava 7,3%, o equivalente a 19 voos em um total de 260. No domingo, a TAM também teve problemas: 12,8% de seus 870 voos previstos foram cancelados e 24,6% estavam atrasados.

A companhia informou que os cancelamentos e atrasos foram causados por remanejamentos de sua malha por conta de chuvas que atingiram a região sudeste entre a noite de quinta-feira e a madrugada de sexta-feira.

De acordo com a TAM, a chuva interrompeu operações em Congonhas, Guarulhos e Viracopos (SP) e Santos Dumont e Galeão (RJ). O fechamento do aeroporto Salgado Filho, de Porto Alegre, na manhã do domingo, também prejudicou a operação. A expectativa é que a situação esteja normalizada até quarta-feira, do contrário, novas medidas serão adotadas.

Para evitar que o problema se estenda, a agência reguladora iniciou uma auditoria na empresa, enviando inspetores para o centro de operações da companhia e para aeroportos de São Paulo. Até que seja concluída a auditoria, no prazo de uma semana, também ficam suspensos todos os pedidos de acréscimos de voos na malha da TAM.

Desde agosto a Anac acompanha semanalmente as escalas das tripulações das companhias aéreas, por meio de relatórios enviados pelas empresas. A auditoria na TAM visa verificar se os números encaminhados condizem com a situação atual, uma vez que não eram previstos problemas com a carga horária dos tripulantes informada pela companhia.

Na semana passada, a agência reuniu as principais companhias aéreas do país para definir medidas que evitem problemas aos passageiros no final do ano, como a proibição de overbooking e venda de passagens além da disponibilidade de assentos.

Acompanhe tudo sobre:AnacAviaçãoAviõescompanhias-aereasEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasServiçosSetor de transporteTAM

Mais de Negócios

10 franquias baratas para quem quer deixar de ser funcionário a partir de R$ 2.850

Mukesh Ambani: quem é o bilionário indiano que vai pagar casamento de R$ 3,2 bilhões para o filho

De vendedor ambulante a empresa de eletrônicos: ele saiu de R$ 90 mil para mais de R$ 1,2 milhão

Marca de infusões orgânicas cresce com aumento do consumo de chás no Brasil e fatura R$ 6 milhões

Mais na Exame