Conheça as startups da aviação brasileira

Quatro novas companhias aéreas prometem desafiar o domínio de Azul, Gol e Latam sob os céus do Brasil em meio ao pós-pandemia. Elas vão conseguir?

Há quem diga que as crises oferecem oportunidades de investimentos e, no que depender de quatro startups brasileiras, a aviação deverá mudar de cara nos próximos meses por aqui. E nem a queda na demanda — de 43,3% em maio quando comparado ao mesmo mês de 2019, de acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) — frustrou os planos de quem pretende estrear no setor.

“Novas companhias são interessantes para o mercado, porque barateiam os custos para o cliente final. Só que, do ponto de vista do investidor, esse momento exige cautela. Com o fim da pandemia, haverá demanda gigantesca por passagens aéreas e, talvez, as empresas não tenham capacidade de atender”, diz Thiago Nykiel, CEO da Infraway Engenharia, especialista em infraestrutura e aviação.

Além da recém-lançada Itapemirim Transportes Aéreos, estão em processo avançado as novatas Asas; Dux Express; Nella; e Regional. Todas deverão iniciar as operações até o ano que vem, com diferentes estratégias, que vão desde voos regionais até o transporte de carga. Em alguns casos, as estreantes já têm até aeronaves prontas e estão nas etapas finais das certificações.

Asas Linhas Aéreas

Boeing 727 da Asas Linhas Aéreas Negócio fechado: avião já está comprado e será adaptado à Asas

Negócio fechado: avião já está comprado e será adaptado à Asas (Asas Linhas Aéreas/Divulgação)

Diferentemente do que pode parecer, essa companhia surgiu há algum tempo — mais especificamente em 2016 — e passou os últimos anos congelada. De lá para cá, a economia cambaleante do Brasil esfriou os planos de Orlando Menezes, filho e neto de ex-funcionários Varig, de montar a própria companhia aérea. Agora, com o aumento da demanda no transporte por conta do e-commerce os olhos dele brilharam novamente.

“Esse momento é muito propício para o transporte de carga aérea e as grandes empresas despertaram para um mercado que era tímido. Nós estamos negociando com uma gigante de e-commerce para voar exclusivamente e atender a demanda que estão planejando. Porque os Correios são lentos e, assim, as empresas têm ido às companhias aéreas para compor operação”, diz o fundador da Asas.

Se os planos iniciais são de operar no transporte de cargas — e, inclusive, há uma aeronave Boeing 727 comprada por 1,5 milhão de dólares destinada a essa finalidade —, o dirigente afirma que, no ano que vem, deverá iniciar os voos na modalidade de charter (fretamento).

A base da companhia deve ser o aeroporto de São José dos Campos, no interior paulista. Nos planos de Menezes para os próximos meses está, também, a substituição dos modelos por novos Boeing 737 e a compra de mais uma unidade nos próximos seis meses.

“Fechamos parceria com a Shark Logística, que será responsável por todas as etapas de carregamento e paletização. Essa estratégia não é comum, porque as próprias companhias aéreas costumam fazer essa parte logística. Só que queremos terceirizar o máximo possível para fazer o essencial, que é transportar. Isso baixa o custo de operação e permite serviços mais baratos que os rivais”, diz Menezes.

De acordo com a Anac, a companhia já está em etapa final de certificação, quando é feito treinamento da tripulação — atrasado pelas restrições de entrada nos Estados Unidos durante a pandemia. Mas os voos devem começar em agosto. Considerando duas aeronaves, a previsão de faturamento para ano que vem é de até 15 milhões de dólares. Com transporte de passageiros, passa dos 20 milhões de dólares.

Dux Express

Cessna Grand Caravan da Dux Express Aviões pequenos: frota da Dux Express poderá atuar em aeroportos menores

Aviões pequenos: frota da Dux Express poderá atuar em aeroportos menores (Vladimir Spotter/Divulgação)

Na Dux Express, sediada em São Paulo, a companhia aérea não será o coração das operações do grupo, mas parte importante da estratégia de logística que já conta com aviões, navios e caminhões para o transporte de cargas desde 2013. Por enquanto, apenas três das dez aeronaves previstas estão disponíveis, só que o plano é ter a frota completa até ano que vem para iniciar os fretamentos (e o transporte de passageiros).

“Na aviação, é necessário focar no custo e, infelizmente, a pandemia afetou diversas empresas. Mas as companhias de táxi aéreo cresceram por terem a operação mais em conta. Nosso diferencial é começar com clientes da transportadora, que têm demanda de frete. Há mercado. Com integração de caminhões e boa capilaridade, será como um instrumento bem afinado”, diz Raphael Rossi, CEO da Dux.

O projeto deverá começar em Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP) e Vitória (ES), mas deverá ser expandido, com uma aeronave alocada em cada região do país no primeiro trimestre de 2022 e presença nacional. Por ora, toda a frota será composta pelo Cessna Grand Caravan, que pode pousar e decolar em pistas curtas e sem infraestrutura, mas aeronaves narrow body estão em estudo.

“Eu fico inconformado como há 5 mil municípios no país e pouco mais de 100 são atendidos. Existe essa carência de agilidade logística e encontrei um meio de aprender com aeronaves menores. Então, nossos modelos atuais serão uma faculdade, porque já almejo operar aviões maiores. Eu decidi abrir a empresa na pandemia enxergando o aumento do e-commerce e a agilidade nas entregas”, afirma Rossi.

Sem nenhum investimento externo, a divisão já consumiu quase 5 milhões de dólares até agora. Só que a previsão de faturamento para o grupo é de até 60 milhões de reais — o executivo não revela a previsão só para a companhia aérea. Entretanto, no ano que vem, já com as aeronaves em atuação, a expectativa é de que o faturamento chegue aos 110 milhões de reais (em 2019, foram 70 milhões de reais).

Nella Linhas Aéreas

Nella Linhas Aéreas avião ATR e Airbus A320 Briga de gente grande: Nella apostará em voos regulares no Brasil

Briga de gente grande: Nella apostará em voos regulares no Brasil (Nella Linhas Aéreas/Divulgação)

Tudo começou quando Maurício Souza, empresário do transporte de cargas rodoviário, foi padrinho de casamento de um fã de aviação. Primeiro, veio a ideia de criar uma companhia que fizesse as rotas do Caribe com saídas dos Estados Unidos. Só que a estratégia mudou e, há pouco mais de um ano, quando foi oficialmente registrada, trocou o mercado norte-americano pelo brasileiro — e os aviões turboélice ATR pelos Airbus A320ceo.

Percebi que era mais fácil começar uma empresa do zero do que comprar uma companhia aérea que já estivesse voando, ou seja, com todos certificados para operar, mas com dívidas. E vamos começar muito maiores e mais fortes do que havíamos previsto inicialmente. Inclusive em relação às aeronaves. Porque a pandemia, ao contrário de outros setores, nos favoreceu e deu mais consistência”, diz Souza.

Por enquanto, a empresa está na segunda fase de certificação junto à Anac— no total, o processo tem cinco etapas. Mas a estimativa é de a operação comece no fim deste ano, dependendo do andamento junto ao órgão regulador. Por isso, já foi assinado o leasing de cinco aeronaves, que chegam até o primeiro trimestre do ano que vem.

“Encontramos três variáveis que nos fizeram ter uma posição muito confortável: leasings muito baratos; combustível a preços bastante em conta; e mão de obra farta. Para as empresas entrantes que vêm sem nenhum tipo de dívida e com investimento próprio, como é o nosso caso, já que eu também sou o sócio investidor, temos uma posição mais confortável para criar planos mais arrojados”, afirma o CEO.

Por enquanto, não foi divulgada a estimativa de faturamento para a companhia aérea, que afirma focar em todos os públicos — das classes A, B, C e D — e que trabalhará como uma empresa de baixo custo. Mas a previsão é disputar o mercado de voos regulares, com rotas fixas, no qual já atuam as principais empresas do setor, como Azul, Gol e Latam. Além disso, a malha continua mantida sob segredo.

Regional Linhas Aéreas

De acordo com o site Aeroin, o grupo Voepass (que antes era chamado Passaredo) registrou uma nova companhia aérea sob a razão social Regional Linhas Aéreas Ltda. Mais que isso, a empresa deu início à certificação junto à Anac para transporte aéreo de passageiros e também deu entrada no cadastro do código de identificação global de três dígitos no International Civil Aviation Organization (Icao).

Procurada, a Voepass não respondeu até o momento da publicação desta reportagem.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também