Sonda tem pane, mas Petrobras mantém prazo para Carcará

A Petrobras manteve previsão de produção do primeiro óleo para o fim de 2018, segundo informou a Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP), sócia minoritária

Rio - Uma das grandes promessas da Petrobras no pré-sal, o poço de Carcará, no bloco BM-S-8, na Bacia de Santos, pode sofrer atraso de até oito meses na fase de perfuração do poço de extensão, depois de problemas operacionais com uma sonda de perfuração informados nesta quinta-feira, 23, ao mercado.

A Petrobras, no entanto, manteve a previsão de produção do primeiro óleo para o fim de 2018, segundo informou a Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP), sócia minoritária.

A Petrobras é operadora do consórcio (66%) em parceria com a Petrogal Brasil (14%), Barra Energia do Brasil Petróleo e Gás Ltda. (10%) e QGEP (10%).

A QGEP informou em nota ao mercado que o poço de extensão foi abandonado devido a problemas operacionais durante a perfuração.

Os trabalhos serão retomados com uma sonda que tenha equipamento específico de segurança, que resiste a pressão em grandes profundidades.

O dispositivo está sendo exigido pela Petrobras para vários de seus poços com alta profundidade, em medida adicional de segurança estabelecida internamente. O equipamento, no entanto, só chegará em meados de 2014.

A Petrobras havia dividido a perfuração em duas partes, de forma a adiantar a perfuração no pós-sal com uma sonda comum, enquanto aguardava o máquinário necessário para o pré-sal. O problema operacional divulgado nesta quinta ao mercado aconteceu na primeira fase.

A operadora poderá substituir a sonda e continuar adiantando a perfuração ou esperar para empregar apenas a sonda que já disponha de equipamento de segurança. A QGEP informou que a segunda fase deve ser iniciada no quarto trimestre de 2014 e que a conclusão da perfuração e do teste de longa duração no poço de extensão ocorrerá em meados de 2015. O primeiro óleo está previsto para o fim de 2018.

Não é a primeira vez que o poço é abandonado. Em janeiro de 2013, a Petrobras informou que, também por questões operacionais, não foi possível atingir a profundidade final, prevista originalmente para 7 mil metros, e executar os trabalhos complementares de avaliação. O poço foi retomado posteriormente.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.