Saída da GM deixa montadoras australianas perto da extinção

A última companhia que permanece, a Toyota, afirmou que a retirada da GM e da Ford levará a companhia a questionar os méritos de permanecer no país

Sydney e Canberra - A centenária indústria automotiva da Austrália está aproximando-se à extinção depois que a General Motors Co. seguiu o exemplo da Ford Motor Co. e decidiu deixar de fabricar carros no país.

Sete meses depois que a Ford anunciou sua retirada, a GM disse, em 11 de dezembro, que sua unidade Holden deixará de produzir em 2017. Isso levou a última companhia que permanece, a Toyota Motor Corp., a dizer que a medida exercerá uma “pressão sem precedentes” sobre os fabricantes de autopeças e a questionar os méritos de permanecer no país.

Uma moeda local valorizada e a queda nas taxas de importações reduziram as vendas dos carros fabricados na Austrália quase pela metade desde 2007.

O esvaziamento da indústria automotiva do país tem consequências não apenas para as três companhias, porque as montadoras possuem cerca de 150 fornecedores que empregam 42 mil pessoas, segundo estimativas.

A partida da maior montadora da Austrália também aumenta a pressão sobre o primeiro-ministro Tony Abbott, que enfrenta a alta no desemprego e a queda na confiança dos consumidores três meses depois de vencer uma eleição prometendo restabelecer a confiança na economia.

“O dólar australiano causou a morte de uma marca símbolo de carros”, disse Martin Whetton, estrategista de taxas de juros da Nomura Holdings Inc., em Sydney. “O anúncio será um grande golpe à confiança nos dias até o Natal, já que a perda de empregos agravará a noção de insegurança que já é alta”.


112 anos

A indústria automotiva da Austrália, que data de 1901, quando o topógrafo Harley Tarrant construiu um carro pioneiro movido a gasolina com um motor Benz importado, não sobreviverá à partida da GM Holden, disse Dave Smith, diretor da divisão de veículos do Sindicato de Trabalhadores de Fabricação da Austrália.

“Muitos operários mais velhos serão despachados para a ociosidade do desemprego”, disse Smith em entrevista por telefone. “É o que acontece quando são abertas a fronteiras” às importações, disse ele.

Da enchente de importações, principalmente da Ásia, resultou que os veículos fabricados localmente somente representam 10 por cento das vendas totais de carros no país neste ano, frente a 80 por cento há três décadas, segundo dados da Ford e da Câmara Federal de Indústrias Automotivas.

‘Não é sustentável’

“Montar carros neste país simplesmente não é sustentável”, disse, aos jornalistas Mike Devereux, diretor de gestão da unidade Holden, ontem, em Melbourne. “Analisamos todas as opções possíveis”.


A produção na Austrália virou vítima do boom de commodities que ajudaram a valorizar a moeda local até US$ 1,11 por unidade em julho de 2011, o maior nível nos trinta anos que seguiram à eliminação dos controles cambiários. Embora desde então a moeda australiana tenha se desvalorizado até cerca de 0,90 por dólar americano, continua mais cara do que em qualquer ponto dos 23 anos até 2007.

A GM estima que produzir um carro na Austrália custe cerca de 3.750 dólares australianos a mais do que em qualquer outra parte. Em maio, a Ford disse que os custos no país dobram os da Europa e quadruplicam os das suas divisões asiáticas.

Tais custos fizeram com que as montadoras dependam da ajuda do governo para manter funcionando as fábricas australianas. A esse fato se soma o primeiro-ministro, que prometeu reduzir subsídios para carros por 500 milhões de dólares australianos até 2015 em vez de “dar um cheque em branco” às montadoras antes de vencer as eleições gerais de setembro.

Os fornecedores das três montadoras, que representam a maioria dos empregos da indústria de fabricação de carros do país, já estão planejando um futuro sem seus maiores clientes.

“Essa possibilidade apareceu, há muito tempo, no nosso radar”, disse Craig O’Donohue, diretor de gestão da Australian Arrow Pty, fabricante de cabos nos subúrbios do oeste de Melbourne e fornecedora da Toyota desde 1975 e da Holden desde 1983. “Nesta indústria, é preciso ser realista”.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.