Negócios

S&P pode elevar rating da Cosan após união com Shell

Fluxo de caixa estável e repasse da dívida líquida à multinacional são considerados positivos pela agência

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h38.

São Paulo - A agência Standard & Poor's (S&P) decidiu colocar os ratings (classificação de risco) da dívida da Cosan em observação positiva, prevendo uma mudança no perfil financeiro da empresa após o anúncio de um joint-venture com a Shell. Isso quer dizer que a nota da Cosan pode ser elevada nos próximos meses caso a parceria entre as duas empresas seja concluída.

A S&P também espera uma geração de caixa maior a partir da distribuição e venda dos combustíveis Shell no Brasil, o que deve beneficiar as duas empresas. A agência também considera positivo o repasse da dívida liquida da Cosan, que hoje é de 2,52 bilhões de dólares, para a nova empresa. Outro ponto que deve ser bom para as duas companhias é o fato de os negócios de distribuição de combustível comumente gerarem fluxos de caixa estáveis.

Caso a união realmente seja formalizada, a Cosan entrará com ativos de açúcar e etanol, além de 15 unidades de co-geração de energia e distribuição de combustível. O montante é avaliado em 4,93 bilhões de dólares.

A Shell deve contribuir com os ativos de combustíveis utilizados na aviação, os ativos de distribuição e venda no Brasil e sua participação em duas empresas de pesquisa e desenvolvimento em biomassa. Ao fim de dois anos, o aporte financeiro da multinacional chegará a 1,63 bilhão de reais.

A joint-venture pode possibilitar o desenvolvimento e a criação de tecnologias relacionadas ao biocombustível. A decisão sobre o fechamento ou não do acordo deve sair nos próximos seis meses.

Acompanhe tudo sobre:acordos-empresariaisEmpresasIndústria do petróleoJoint-venturesQuímica e petroquímicaShell

Mais de Negócios

Mukesh Ambani: quem é o bilionário indiano que vai pagar casamento de R$ 3,2 bilhões para o filho

De vendedor ambulante a empresa de eletrônicos: ele saiu de R$ 90 mil para mais de R$ 1,2 milhão

Marca de infusões orgânicas cresce com aumento do consumo de chás no Brasil e fatura R$ 6 milhões

Descubra 4 formas de pedir empréstimo e quais são as vantagens e desvantagens de cada uma

Mais na Exame