Renner tem prejuízo de R$ 83 mi com lojas fechadas e descontos 

O menor tráfego nas lojas também impactou as margens da companhia, que além da marca Renner também controla a Youcomm e a Camicado

O fechamento das lojas físicas, que perdurou até meados de agosto, prejudicou os resultados da Renner. Mesmo com uma grande aceleração do comércio eletrônico, a varejista de moda apresentou receitas de 1,65 bilhão de reais no terceiro trimestre do ano, queda de 14,5%. O prejuízo líquido foi de 82,9 milhões de reais no período, ante lucro de 186,7 milhões de reais no mesmo período do ano passado. 

"Mais relevante do que a queda nas vendas é a retomada gradual. Conforme as pessoas se sentem mais confortáveis e os horários de funcionamento das lojas ficam mais flexíveis, a demanda retoma", disse Paula Picinini, diretora de relação com investidores e internacionalização da Lojas Renner em entrevista à EXAME.

Com 31% das lojas fechadas no início do trimestre, o menor tráfego nas lojas também impactou as margens da companhia, que além da marca Renner também controla a Youcomm e a Camicado. As margens da operação de varejo foram de 47,7%, queda de 6,6 pontos em relação ao mesmo trimestre do ano passado. Sem fluxo nas lojas, a empresa precisou fazer remarcações maiores em seus produtos, com mais descontos para desovar estoques. Esse processo também foi necessário no segundo trimestre do ano, em que a empresa teve receita 73,3% menor e prejuízo de 228 milhões de reais. 

 

 

Agora, a companhia acredita que os estoques já estão normalizados — bem como as margens brutas, que devem estar mais próximas da normalidade no quarto trimestre do ano. A Renner lançou em setembro a coleção primavera-verão, que foi bem recebida, diz a empresa. 

"Fizemos as remarcações no momento apropriado, com descontos que faziam sentido e chegamos a setembro com espaço para as novas coleções", disse Picinini. Os estoques também estão prontos para a Black Friday e as vendas do final do ano, diz a Renner.

O grande destaque do trimestre foram as vendas digitais, com crescimento de 200,5% no trimestre e já responsáveis por 16% do total. As lojas físicas estão cada vez mais conectadas ao mundo digital. Mais de 20% das compras pela internet já são atendidas pelo estoque de uma loja física. A retirada em loja das compras virtuais são 30% do total e 15% dessas retiradas resulta em uma nova compra. A venda social pelo projeto Minha Sacola, em que qualquer pessoa pode vender produtos da Renner através de um link, atingiu 15.000 afiliados. 

“O e-commerce continua crescendo três dígitos, mesmo com a rede de lojas físicas já de volta à normalidade”, diz Alvaro Azevedo, diretor financeiro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.