Negócios

Quem é Eduardo Saverin, o brasileiro mais rico do mundo

O brasileiro apareceu na lista de maiores bilionários do mundo pela primeira vez em 2011. Conheça a trajetória profissional de Eduardo Saverin

Eduardo Saverin: cofundador do Facebook é o brasileiro mais rico do mundo (Wei Leng Tay/Bloomberg/Getty Images)

Eduardo Saverin: cofundador do Facebook é o brasileiro mais rico do mundo (Wei Leng Tay/Bloomberg/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 6 de abril de 2024 às 09h14.

Última atualização em 10 de abril de 2024 às 14h22.

A Forbes divulgou na terça-feira, 2, a lista de bilionários de 2024 e, entre os 69 brasileiros, Eduardo Saverin, um dos cofundadores do Facebook, segue no topo, com um patrimônio de US$ 28 bilhões (R$ 141,4 bilhões). A lista conta com 2.781 indivíduos, um aumento de 141 novos bilionários e US$ 2 trilhões a mais em relação a 2023 (R$ 10 trilhões).

Aparecendo pela primeira vez no ranking em 2011, após o IPO (abertura de capital) do Facebook, Saverin é hoje o 60º homem mais rico do mundo. De 2023 para 2024 sua fortuna quase triplicou, aumentando de US$ 10,2 bilhões (R$ 51,60 bilhões) para US$ 28 bilhões (R$ 141,64 bilhões), em razão de suas ações da Meta, que tiveram uma valorização de mais de 300% em 2023. A companhia é proprietária do Facebook, Messenger, Instagram, WhatsApp e Threads - o salto da companhia também lançou Mark Zuckerberg ao posto de 4º homem mais rico do mundo.

Neto de Eugênio Saverin, judeu romeno refugiado no Brasil e fundador da marca de roupas infantis Tip Top, Eduardo Saverin nasceu em 1982 na cidade de São Paulo, filho do industrial Roberto Saverin e de Sandra Saverin, psicóloga. Aos 11 anos, em 1993, foi morar com sua família em Miami, nos EUA.

Trajetória profissional

Antes de se formar em Economia pela Universidade Harvard, fez parte do projeto Thefacebook, ao lado de Mark Zuckerberg, Andrew McCollum, Chris Hughes e Dustin Moskovitz em 2004. Tratava-se de uma rede social exclusiva para alunos de Harvard, mas que em pouco tempo foi ampliada para integrar qualquer pessoa, inclusive de fora dos EUA. Aos 21 anos, fez seu primeiro investimento no Facebook: a compra de servidores no valor de US$ 1 mil. Durante um tempo, a casa de seus pais em Miami também foi o endereço comercial do Facebook.

Ainda na década de 2000, Saverin e o restante dos sócios, incluindo Zuckerberg, se desentenderam sobre o futuro do Facebook, com o brasileiro acusando Zuckerberg de gastar seu dinheiro em despesas pessoais e festas. Após uma tentativa de diluição da participação de Saverin, o brasileiro e Zuckerberg se enfrentaram na justiça, resultando em um acordo extrajudicial.

A história do conflito é retratada no filme A Rede Social, de 2010, onde Saverin é interpretado pelo ator Andrew Garfield (mais conhecido por seu papel como Homem-Aranha).

Bilionário da Nutella: homem mais rico da Itália, Giovanni Ferrero acumula fortuna de US$ 43 bilhões

Em 2009, Saverin imigrou para Cingapura e, em 2011, pouco antes da abertura de capital do Facebook, renunciou sua cidadania americana. A ação lhe poupou US$ 700 milhões em impostos sobre os ganhos do IPO e rendeu acusações de sonegação de impostos pela mídia.

Saverin se casou em 2015 com Elaine Andriejanssen, uma cidadã indonésia de ascendência chinesa e família rica que se tornou presidente executiva de uma empresa de investimentos localizada em Cingapura. O casal, que teve um filho em 2018, tenta manter a vida privada longe dos holofotes.

Ainda em 2015, Saverin fundou sua empresa de capital de risco, B Capital, investindo mais de US$ 150 milhões em negócios no Sudeste Asiático e na Índia. No início de 2020, o bilionário também investiu na Antler, um fundo de capital de risco e aceleradora de startups fundada por seu amigo de Harvard, Magnus Grimeland. Recentemente, a B Capital participou da rodada que injetou US$ 320 milhões na Lambda, uma empresa que oferece serviços de computação em nuvem e hardware para treinamento de software de IA.

Em 2023, Saverin adquiriu dois chalés de mais de 32 mil metros quadrados na estação de esqui francesa de Courchevel por US$ 95 milhões.

Acompanhe tudo sobre:Bilionários

Mais de Negócios

Na startup Carefy, o lucro veio quando a empresa resolveu focar na operação — e não na captação

Liderança sustentável: qual é papel do líder na construção de um futuro responsável?

“É fundamental que as empresas continuem operando no RS”, diz presidente da Tramontina

Greener une forças com Pachamama Investimentos e Sustainable Cities Global em defesa da Amazônia

Mais na Exame