Negócios

Para o 'pai do CRM', adoção da IA nas empresas é mandatória, mas não do jeito que estão falando

Thomas Siebel fundou a Siebel Systems, adquirida pela Oracle no começo dos anos 2000, e comanda a operação da C3.AI, fábrica de softwares que atende do Google à Força Aérea Americana

Thomas Siebel, da C3.AI: "As empresas que não usam IA generativa serão adquiridas por essas que estão usando" (Marcos Bonfim/Exame)

Thomas Siebel, da C3.AI: "As empresas que não usam IA generativa serão adquiridas por essas que estão usando" (Marcos Bonfim/Exame)

Marcos Bonfim
Marcos Bonfim

Repórter de Negócios

Publicado em 9 de abril de 2024 às 18h47.

Última atualização em 10 de abril de 2024 às 09h39.

Sunnyvale (Estados Unidos) — Carismático e alegórico, o americano Thomas Siebel subiu ao palco do Brazil at Silicon Valley para questionar falas que considera precipitadas sobre o futuro com inteligência artificial generativa. 

Sim, o pai do CRM, as ferramentas usadas por empresas para a gestão dos negócios, também acredita que a adoção das tecnologias é mandatória. A diferença está em como fazer esse processo. 

“Há uma ideia de que o futuro com a IA é que precisamos reeducar todo mundo para ser um cientista de dados”, diz Siebel. “Há um monte de besteira, não é verdade. As pessoas usarão a IA de forma inteligente, incorporada nas ferramentas que utilizam no dia a dia e nem saberão que estão usando”.

Quem é Thomas Siebel

Ex-funcionário da Oracle, Thomas Siebel criou sua própria fábrica de softwares nos anos 1990, a Siebel Systems, empresa que mais tarde seria adquirida pela própria Oracle por US$ 5,85 bilhões em 2006.

Aos 71 anos, ele é o chairman e CEO da C3.AI, uma plataforma fundada em 2009 e que abriu o capital em 2020. Na bolsa, a companhia é avaliada em mais de US$ 3 bilhões.    

Tem clientes como Google, Shell, Petronas e CIA, passando pela Força Aérea Americana. Para elas, a C3 oferece softwares que ajudam a monitorar dados, trazer eventuais riscos operacionais e ajudar na transformação digital da indústria.  

No caso de um avião da força aérea, isso significa integrar informações que circulam por mais de 40 mil sensores e movimentam em torno de 80 terabytes de dados.

Diferentemente da corrida por STEAM (tecnologia, arte, matemática, engenharia) nos últimos recentes, com vários profissionais buscando migrar para tecnologia, o empresário americano aponta que o momento é outro com a IA generativa. 

“Deixem essa ideia de que precisamos requalificar os taxistas do Rio em ciência de dados”, brincou, arrancando risos de uma plateia formada em sua maioria por empreendedores brasileiros.

Quer dicas para decolar o seu negócio? Receba informações exclusivas de empreendedorismo diretamente no seu WhatsApp. Participe já do canal EXAME Empreenda

Quais serão as empresas ganhadoras

De acordo com o empresário, a base para o uso da tecnologia virá dos modelos de LLMs, desenvolvido por companhias como a OpenAI, com o ChatGPT, e o Google, com o Gemini, com outras ferramentas como aprendizado de máquina e big data.

A partir daí, o acesso se expandirá para as várias camadas de profissionais, sem uma necessidade de especialização em tecnologia por parte de marqueteiros e advogados, por exemplo. A percepção do executivo difere de outros players, que estimulam a busca por ciência de dados.

Neste momento de transformação, quem não pode ficar para trás na adoção da tecnologia são os negócios. “Existem empresas que adotam IA e está tudo bem. E há aquelas que não usam, que serão adquiridas por essas que estão usando”, afirmou o americano.

Ele usa dessa experiência de décadas no Vale do Silício e no ambiente da inovação fundamentar as suas ideias. Quando saiu da faculdade nos anos 1980, o mercado de tecnologia era calculado em US$ 200 bilhões, montante bem distante dos números atuais de US$ 8 trilhões.

“Eu estava lá quando as pessoas diziam que não iam usar computadores, quando os CIOs falavam sobre não usar PCs. Eu estava lá quando o CEO não dizia que não usaria a nuvem. Quanto tempo durou isso?”, diz o executivo.

*O jornalista viajou a convite da organização do Brazil at Silicon Valley 

Clique aqui para inscrever sua empresa no ranking EXAME Negócios em Expansão 2024

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialStartups

Mais de Negócios

Os motivos que levaram a Polishop a pedir recuperação judicial com dívidas de R$ 352 milhões

OPINIÃO: Na lama da tragédia, qual política devemos construir?

Conheça a Rota das Artes, o novo roteiro turístico de Minas Gerais

Fabricio Bloisi deixa operação do iFood para assumir comando de grupo de investimentos Prosus

Mais na Exame