Acompanhe:

Contrariando rumores sobre um adiamento para o ano que vem, o Google anunciou a chegada do seu novo modelo fundacional Gemini nesta quarta-feira, 6.

A nova tecnologia é multimodal, chega integrada ao Bard, consegue ensinar matemática e criar códigos de programação, será oferecida nativamente no Android e deve chegar à Busca em 2024.

“A nova era dos modelos de IA representa um dos maiores esforços científicos e de engenharia que empreendemos como empresa. Estou genuinamente animado com o que está por vir e com as oportunidades que o Gemini abrirá para as pessoas em todos os lugares", escreveu Sundar Pichai, CEO do Google e da Alphabet em nota publicada hoje no blog post da empresa.

Em testes de conhecimento e solução de problemas abrangendo 57 áreas como matemática, física e história, o Gemini excedeu a performance humana, ultrapassando também o GPT-4 da OpenAI.

O Gemini se destaca por sua versatilidade, operando tanto em grandes infraestruturas de data centers quanto em dispositivos móveis.

Google planeja lançar três versões do Gemini:

  • Gemini Ultra: maior e mais poderoso, voltado para tarefas altamente complexas – será liberado apenas em 2024;
  • Gemini Pro: voltado rodar uma ampla gama de tarefas e atender a desenvolvedores e usuários – começa a ser liberado nesta quarta;
  • Gemini Nano: criado para dispositivos móveis, vai rodar diretamente no dispositivo, o que lhe permite funcionar mesmo quando não há internet – disponível no Pixel 8 Pro, o celular do Google, para criar resumos de áudios e sugerir respostas inteligentes no WhatsApp.

A versão Pro do Gemini já começa a integrar o robô Bard do Google, melhorando suas capacidades de raciocínio e compreensão. Outros produtos da empresa, como Busca e Chrome, também receberão integração com o Gemini nos próximos meses.

A partir de 13 de dezembro, desenvolvedores e empresas poderão acessar o Gemini Pro através das plataformas Google AI Studio e Google Cloud Vertex AI, enquanto o Gemini Ultra passará por verificações de segurança adicionais antes de seu lançamento em 2024.

O diferencial do Gemini em relação a outras inteligências artificiais (IA) multimodais reside na sua abordagem de desenvolvimento.

Segundo Demis Hassabis, diretor-executivo da DeepMind, subsidiária de IA do Google, o Gemini foi projetado para ser nativamente multimodal, sendo treinado desde o início em diferentes formatos e posteriormente aperfeiçoado com dados adicionais.

Além disso, o Gemini passou por rigorosas avaliações de segurança para evitar conteúdo inapropriado. Sua criação incluiu o treinamento sobre frases tóxicas e a colaboração de especialistas independentes para testar seus limites.

Sundar Pichai, diretor-executivo da Alphabet, enfatiza a abordagem responsável e ambiciosa na criação do Gemini, visando beneficiar a sociedade - a mesma história contadada pela OpenAI.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
A pandemia fez o Vale do Silício abandonar São Francisco. A IA trouxe empresas de volta
Inteligência Artificial

A pandemia fez o Vale do Silício abandonar São Francisco. A IA trouxe empresas de volta

Há 8 horas

OpenAI, do ChatGPT, tem valor de mercado avaliado em US$ 80 bilhões
Inteligência Artificial

OpenAI, do ChatGPT, tem valor de mercado avaliado em US$ 80 bilhões

Há 13 horas

Pioneira em IA, Singapura vai investir mais US$ 740 milhões na área
Inteligência Artificial

Pioneira em IA, Singapura vai investir mais US$ 740 milhões na área

Há 15 horas

Amazon lança IA que funciona como concierge — e que talvez espere uma gorjeta sua
Inteligência Artificial

Amazon lança IA que funciona como concierge — e que talvez espere uma gorjeta sua

Há 16 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais