Os planos da OAS para a Arena das Dunas depois da Copa

Construtora estuda inaugurar espaços para eventos, bares e até uma academia quando o evento terminar

São Paulo – A Copa do Mundo está chegando e Natal, capital do Rio Grande do Norte, receberá pelo menos quatro jogos do mundial. Mas e depois? O que será feito da Arena das Dunas?

A OAS gastou 423 milhões de reais no estádio e tem 20 anos de concessão para conseguir reaver o investimento. Para isso, vai precisar contar com mais que futebol, como outras empreiteiras no negócio.

De acordo com a Secopa do Rio Grande do Norte, a OAS foi contratada pelo estado para construir e administrar o estádio. A construtora pediu um empréstimo ao BNDES de 396,5 milhões de reais. O restante foi bancado pela própria empresa.

Como a OAS foi contratada por meio de uma parceria público-privada, durante o período de concessão, metade dos lucros fica com a administradora do estádio e o restante vai para o governo do RN.

O estádio foi inaugurado em janeiro deste ano. Desde então, já recebeu 20 jogos, que totalizaram uma média de público de 6.450 pessoas por jogo. O valor é bem abaixo da marca de 14.951 visitantes, a média dos jogos da série A do Campeonato Brasileiro de 2013.

A arena, que tem capacidade para 42.024 pessoas com as extensões temporárias exigidas pela Fifa, tem custo de manutenção anual que pode variar entre 10 e 14 milhões de reais, de acordo com a BDO Brazil.

Pelos cálculos da consultoria, a receita anual com jogos de futebol na Arena das Dunas corresponderá a apenas 32% do custo de manutenção ano a ano.

A conta foi feita com base no preço médio do ingresso da série A do Campeonato Brasileiro de 2013 e, por isso, ela pode ser considerada otimista. Os dois principais times do Rio Grande do Norte, o América RN e o ABC FC, disputam a série B.

Espaço multiuso

Para os 68% restantes dos custos anuais e a recuperação dos investimentos iniciais, a OAS tem outros planos de arrecadação.

Além de alugar o local para shows, a arena possui espaços para eventos, como festas e convenções, e que podem abrigar de 40 a 200 mil pessoas. A administradora também cogita reformar os bares que foram postos lá temporariamente e torná-los permanentes.

Há até um espaço projetado para abrigar uma academia, que pode ser utilizado caso a construtora ache pertinente.

Os boatos de que o local se transformaria em um grande shopping center, porém, foram negados. De acordo com a companhia, não se descarta haver um espaço para compras, mas este não será o foco da arena.

A OAS, aliás, se diz otimista com seus investimentos. “O nosso estádio é uma arena multiuso e não é planejada somente para o esporte. É importante pontuar que a agenda para este ano já está recheada até o fim de 2014”, diz a empresa.

A empreiteira do empresário Matas Filho foi a maior vencedora das licitações para as obras da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016, segundo a Forbes, o que o tornou bilionário.

*Matéria atualizada dia 30 de maio de 2014, sexta-feira, às 10:14.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.