Negócios

O que está por trás do sucesso dos marketplaces chineses

A ascensão dos marketplaces chineses é um fenômeno que reflete a adaptabilidade de um mercado em constante evolução, onde a conveniência e a eficiência são prioridade

China2Brazil
China2Brazil

Agência

Publicado em 10 de abril de 2024 às 20h02.

Última atualização em 10 de abril de 2024 às 20h02.

Tudo sobreChina
Saiba mais

Os marketplaces têm revolucionado a maneira como as pessoas consomem produtos e serviços ao redor do mundo. Na China, essa revolução é ainda mais evidente, com plataformas de e-commerce transformando não apenas o varejo, mas também a cultura de consumo.

A ascensão dos marketplaces chineses é um fenômeno que reflete a adaptabilidade de um mercado em constante evolução, onde a conveniência e a eficiência são prioridade. Este sucesso não é por acaso; ele é o resultado de uma combinação de fatores estratégicos que incluem tecnologia de ponta, logística avançada e uma compreensão profunda das necessidades e desejos de seus consumidores.

A China é líder global em vendas online, e o já e-commerce ultrapassou a marca de vendas em lojas físicas. Utilizando tecnologias avançadas e estratégias de venda adaptadas ao consumidor final, os marketplaces chineses têm se destacado por oferecer uma variedade de serviços e produtos em uma única plataforma.

Um dos grandes diferenciais dos marketplaces chineses é a agilidade na entrega. Enquanto no Brasil o prazo médio de recebimento é de 11 dias, na China, esse prazo pode ser de horas, graças a parcerias estratégicas e investimentos em logística. Além disso, sistemas de pagamento móvel como AliPay e WeChat Pay facilitam transações financeiras dentro dos próprios aplicativos, aumentando a conveniência para o usuário.

Outro aspecto relevante é a integração dos marketplaces com as redes sociais e plataformas de streaming ao vivo, onde influenciadores digitais realizam vendas em tempo real, demonstrando produtos e interagindo com os consumidores. Essa estratégia de social commerce, tem se mostrado extremamente eficaz no país, criando um ecossistema de vendas atraente para o público chinês.

Compras coletivas e descontos agressivos são a chave do sucesso da Pinduoduo

Em setembro de 2015, a visão inovadora de Colin Huang, ex-engenheiro do Google, deu origem à Pinduoduo, que emergiu no cenário do comércio eletrônico chinês com a proposta de transformar a experiência de compras online, combinando compras em grupo e interações sociais. O modelo de negócios inovador da empresa incentiva os usuários a compartilhar produtos com suas redes, em troca de benefícios e descontos, o que reduz significativamente o custo de aquisição de novos clientes. Essa abordagem foi fundamental para que a Pinduoduo superasse o gigante Alibaba em termos de volume de usuários, tornando-se a líder em valor de mercado no setor de e-commerce na China em 2023.

A Pinduoduo não apenas ascendeu como uma das plataformas de e-commerce mais populares da China, mas também alcançou um impressionante GMV (Gross Merchandise Volume) de US$ 15 bilhões em um intervalo recorde de dois anos, um feito que Alibaba e JD.com levaram 5 e 10 anos, respectivamente, para realizar.

Impacto no varejo brasileiro

A Pinduoduo estreou no mercado internacional com a abertura da Temu, sua plataforma de vendas online sediada em Boston, Estados Unidos. Esse movimento é um marco importante para a empresa, que busca expandir seu modelo de negócios direto da fábrica para o consumidor (F2C) e conquistar uma fatia do mercado de e-commerce fora da China.

A Temu, que se assemelha a mercados online como AliExpress, Shopee e Shein, está se preparando para entrar no mercado brasileiro com a promessa revolucionar o mercado brasileiro de compras online. Com uma abordagem de marketing ousada, a Temu planeja lançar suas operações no Brasil ainda em 2024, com estratégias que incluem uma seleção diversificada de produtos a preços competitivos, entregas rápidas e uma interface de usuário intuitiva, visando estabelecer rapidamente uma presença significativa no país.

Além disso, a Temu tem investido pesadamente em publicidade, incluindo comerciais de alto custo durante eventos de grande visibilidade como o Super Bowl, e em estratégias de marketing através de influenciadores digitais.

O crescimento dos marketplaces chineses no Brasil tem acendido um alerta para os varejistas nacionais. A Shein, por exemplo, teve um crescimento superior a 40% no mercado brasileiro em 2023, conforme projeções do BTG Pactual. E segundo analistas do setor de varejo, o faturamento da varejista em 2023 alcançou a marca de mais de R$10 bilhões, próxima aos R$11,7 bilhões das lojas Renner em 2023. Esse cenário tem forçado os varejistas brasileiros a modernizarem suas estratégias, investindo em inteligência artificial, marketing de conteúdo e outras táticas para competir com os gigantes asiáticos.

Por: Daiane Mendes

Acompanhe tudo sobre:VarejoChina

Mais de Negócios

Problemas complexos estão travando a sua empresa? Veja 5 dicas para gerenciá-los

Ele vendia trufas e hoje fatura R$ 80 milhões com a maior rede de pilates da América Latina

Ronaldo pode vender clube espanhol por um quarto do valor embolsado com o Cruzeiro

Mora no exterior e quer doar recurso ao RS? Agora é possível através destas instituições financeiras

Mais na Exame