Nova fase da Lava Jato prende 4 funcionários da Petrobras, diz PF

A ação policial tem como alvo principal a investigação de um esquema de repasses ilegais de empreiteiras para funcionários da empreiteira

Rio de Janeiro - A Polícia Federal prendeu quatro pessoas, incluindo três ex-gerentes da Petrobras suspeitos de receberam mais de 100 milhões de reais em propina, em uma nova fase da operação Lava Jato deflagrada nesta quinta-feira para investigar irregularidades na área de Gás e Energia da estatal, informaram a PF e o Ministério Público Federal.

As investigações, que contaram com depoimentos de delatores tanto da Petrobras como de empreiteiras que teriam pago os valores ilegais em troca de contratos com a empresa, apontam que as propinas prosseguiram até junho do ano passado, mesmo com a Lava Jato em andamento, de acordo com as autoridades.

Também são investigados operadores financeiros que utilizaram empresas de fachada para intermediar a propina, inclusive fazendo uso de lei recentemente aprovada de repatriação de recursos no exterior para tentar regularizar os recursos, acrescentaram.

"São investigados os crimes de fraude à licitação, corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas, em mais de uma dezena de licitações de grande porte da Petrobras, que foram fraudadas pelo grupo criminoso", afirmou o MPF em comunicado.

A PF e o MPF não identificaram de imediato os ex-gerentes da Petrobras presos, nem disseram quem foi a quarta pessoa detida nesta manhã. Além das prisões, o juiz federal do Paraná Sérgio Moro expediu mandados de busca e apreensão e condução coercitiva que foram cumpridos nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.

Entre os delatores está o ex-gerente de empreendimentos da área de Gás e Energia da estatal petrolífera, Edison Krummenauer, que reconheceu ter recebido aproximadamente 15 milhões de reais de propina nesse esquema, disse o MPF.

"Mais uma vez, observa-se que o esquema criminoso instalado na Petrobras ainda não foi integralmente desfeito, pois a divisão das vantagens ilícitas e os próprios pagamentos de propina continuam a ocorrer mesmo após o desligamento dos agentes públicos da Petrobras, e, pasmem, permanecem ativos mesmo após tanto tempo de investigação", afirmou o procurador da República Orlando Martello, da força-tarefa da Lava Jato, em comunicado.

A nova fase da Lava Jato, a 40ª etapa da operação, é chamada Asfixia, em referência à tentativa de cessar as fraudes e o desvio de recursos públicos em áreas da Petrobras destinadas a produção, distribuição e comercialização de gás combustível, disse a PF.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.