Negócios

Mercado de bubble tea dá origem a bilionários na China

Setor é propício para a criação de super ricos

Bubble tea é uma bebida à base de chá com esferas de tapioca no fundo do copo

Bubble tea é uma bebida à base de chá com esferas de tapioca no fundo do copo

Publicado em 23 de abril de 2024 às 07h24.

O crescimento significativo na popularidade do bubble tea gerou pelo menos seis bilionários na China ao longo dos últimos anos. Trata-se de uma bebida à base de chá que possui pérolas de tapioca no fundo do copo.

Ainda neste mês, a terceira maior empresa de bubble tea do país, a Sichuan Baicha Baidai Industrial Co. deve tornar-se pública e estrear na bolsa de Hong Kong. Espera-se que a companhia venda mais de 300 milhões de dólares em ações.

Os donos da marca, Wang Xiaokun e Liu Weihong, possuem, juntos, 2,7 bilhões de dólares vindos das ações que detêm da empresa.

A estreia da Baicha Baidao na bolsa deve ser seguida pelo IPO de duas de suas maiores rivais: a Guming Holdings, segunda maior marca de bubble tea da China, e a Auntea Jenny, que ocupa o quarto lugar. Relata-se que a maior empresa do ramo no país, o Mixue Group, também está considerando um IPO. De acordo com a Bloomberg, cada um dos irmãos que fundou o Mixue possui cerca de 1,5 bilhão de dólares.

Outra empresa do setor, a Nayuki Holdings, conta com dois fundadores cujo patrimônio somado é milionário, segundo a Bloomberg.

Assim, percebe-se que o mercado de bubble tea deu origem a diversos bilionários e milionários pelo mundo. Trata-se de um ramo de muitas oportunidades, uma vez que a bebida está na moda pelo mundo e faz sucesso, sobretudo entre as gerações mais jovens.

Com informações do Business Insider;

Acompanhe tudo sobre:AlimentosBebidasChinaBilionários

Mais de Negócios

OPINIÃO: Na lama da tragédia, qual política devemos construir?

Conheça a Rota das Artes, o novo roteiro turístico de Minas Gerais

Fabricio Bloisi deixa operação do iFood para assumir comando de grupo de investimentos Prosus

Conheça a CEO que nunca descansa, nem cobra salário – isso porque ela é uma inteligência artificial

Mais na Exame