Maiores aéreas dos EUA recorrem a empréstimos bilionários do governo

Companhias já receberam ajuda de US$ 25 bilhões para pagar salários e são candidatas a receber mais US$ 25 bilhões

As maiores companhias aéreas dos Estados Unidos assinaram cartas de intenção para obter empréstimos federais e enfrentar a crise gerada pelas medidas devido à pandemia de coronavírus.

As companhias aéreas americanas já receberam ajuda de 25 bilhões de dólares para pagar salários e são candidatas a receber mais 25 bilhões sob um programa de empréstimo federal.

O Departamento do Tesouro afirmou que United Airlines, Alaska Airlines, Delta Air Lines, JetBlue Airways e Southwest Airlines assinaram cartas de intenção envolvendo o empréstimo, que inclui restrições ao pagamento a executivos e recompras de ações.

“Vamos trabalhar com as companhias aéreas para finalizarmos os acordos e fornecermos a elas a capacidade de acessarem estes recursos se optarem por isso”, disse o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, em comunicado.

Na semana passada, o departamento afirmou que acertou os termos sobre os empréstimos com cinco outras companhias aéreas, incluindo a American Airlines.

As companhias aéreas americanas têm até 30 de setembro para decidir se tomam o empréstimo. Elas poderão fazer demissões a partir de 1º de outubro.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.