Kavak, de venda de carros usados, atrai HSBC, Goldman e Santander em captação de US$ 810 milhões

Mesmo com baixa das startups globalmente, empresa mexicana firmou acordos que somam US$ 810 milhões em linhas de crédito para expandir estoque e financiamento de veículos na América Latina e Turquia
Kavak: novos US$ 810 milhões com HSBC, Santander e Goldman Sachs (Kavak/Divulgação)
Kavak: novos US$ 810 milhões com HSBC, Santander e Goldman Sachs (Kavak/Divulgação)
M
Maria Clara DiasPublicado em 20/09/2022 às 04:00.

A Kavak, startup unicórnio mexicano de compra e venda de veículos usados, acaba de engordar mais uma vez os ativos à sua disposição. A empresa, hoje startup mais valiosa da América Latina, acaba de selar um acordo que somam US$ 810 milhões de dólares para financiamentos. Os recursos são dos bancos HSBC, Goldman Sachs e Santander, e serão usados globalmente nas transações de carros seminovos e usados.

A proposta é usar o capital para tornar os serviços complementares da Kavak mais atraentes ao consumidor final. Além da plataforma digital e de cerca de 75 showrooms físicos (ou centros logósticos) espalhados por Brasil, Argentina, México Chile, Peru, Colômbia e Turquia —  nestes últimos quatro há pouco mais de dois meses — , a Kavak aposta em produtos adicionais e que fazem parte da jornada de compra e venda de veículos, como os financiamentos.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio.

O que a empresa vai fazer com o dinheiro?

De olho nisso, grande parte do recurso captado junto aos bancos vem por meio de um contrato de venda de recebíveis futuros, um acordo de US$ 675 milhões firmado com o HSBC. Deste modo, o banco se torna adquiriente de parte dos financiamentos originados pela Kavak.

Já com Goldman e Santander, a linha de crédito será dedicada a ampliar o inventário e a quantidade de carros à disposição para venda e no estoque. Para essa frente, foram estabelecidos US$ 135 milhões.

Segundo Moises Botello, líder das operações financeiras da Kavak, o contato com as instituições vem sendo feito há pelo menos 18 meses, o que antecede até mesmo a última captação da empresa, de US$ 700 milhões. "É um trabalho de convencimento. O que fizemos nestes meses foi comprovar a esses players, com base na nossa tecnologia, de que precificamos os veículos da maneira adequada, com algoritmos robustos o suficiente para inibir riscos", diz.

“Devemos garantir que podemos vendê-los (os carros) da maneira correta, com a confiança necessária”, diz.

Sem direcionamento específico ao mercado brasileiro, país onde Kavak mantém um histórico de corte de custos recente, o que inclui a demissão de 150 funcionários em 2022, o uso dos recursos deve ser aplicado de forma global, reforçando o posicionamento da Kavak como líder na América Latina. “Ter um financiamento como esse é nossa maneira de escalar globalmente”, diz

O financiamento vem após um ano da última rodada de captações da empresa. Em setembro de 2021, a empresa concluiu uma série E de US$ 700 milhões e conquistou um valuation de US$ 8,7 bilhões.

Empreitada no Oriente Médio

A Kavak mantém um plano de expansão agressivo, com abertura de quatro novas filiais nos últimos meses.  Os países escolhidos foram Colômbia, Chile, Peru e Turquia. À época, a empresa afirmou planejar investir US$ 120 milhões nos países andinos e estima processar algo como 3.000 carros por mês.

Já na Turquia, o investimento será de pelo menos US$ 60 milhões em quatro centros logísticos na capital Istambul, em sua primeira incursão fora da Améria Latina. A intenção é processar 300 mil veículos até 2025.

VEJA TAMBÉM

Quem é o bilionário que abomina riqueza, anda de carro velho e não tem celular

Adam Neumann, do WeWork, está de volta — e aposta nas criptomoedas