Apresentado por INTERSYSTEMS

InterSystems simplifica e acelera a análise de dados do mercado financeiro

Empresa utiliza arquitetura de Data Fabric para integrar dados de diferentes fontes e potencializar o processamento de diferentes tipos de informações, permitindo a utilização por ferramentas de ML e IA
Com clientes no Brasil como Caixa e Icatu, a InterSystems é responsável por 15% do processamento de todas as ações negociadas no mundo (Jay Yuno/Getty Images)
Com clientes no Brasil como Caixa e Icatu, a InterSystems é responsável por 15% do processamento de todas as ações negociadas no mundo (Jay Yuno/Getty Images)
e
exame.solutions

Publicado em 03/08/2022 às 09:00.

Última atualização em 04/08/2022 às 15:50.

As instituições financeiras registraram quase 120 bilhões de transações no Brasil em 2021, um crescimento de 15% em relação ao ano anterior, segundo a Pesquisa Febraban de Tecnologia Bancária 2022. Desse total, 70% foi realizado por canais digitais, o que torna o serviço financeiro uma indústria muito dependente de dados.

Nas empresas do setor, esses dados são gerados usualmente em lugares específicos (silos), então ter uma estratégia para orquestrar todos eles é fundamental para organizar uma arquitetura de dados que suporte os processos do negócio praticamente em tempo real. É nisso que aposta a InterSystems, líder mundial de soluções de dados para indústrias com desafios complexos, como os serviços financeiros.

 Hoje, a companhia tem mais de mil clientes e atua em 80 países. No setor financeiro, é responsável por 15% do processamento de todas as ações negociadas no mundo e tem 11 dos 20 maiores bancos globais como clientes, representando mais de 7 milhões de licenças em operação. Aqui no Brasil, a empresa atende Banco do Brasil Tecnologia e Serviços, Caixa Econômica, OperCard e Icatu, entre outros. E o que ela está fazendo para ajudar o mercado?

Antes, é preciso entender como a análise de dados funciona na maioria das empresas do setor. Odilon Almeida, senior sales manager da InterSystems, dá um exemplo que viveu pessoalmente. Ele pediu a simulação de um investimento em seu banco e recebeu uma planilha com 35 perguntas, das quais 30 a instituição já tinha as respostas, mas todas dispersas e difíceis de reunir em um só lugar.

Análise x tempo

Uma estratégia muito utilizada são data warehouses e os data lakes (repositórios centralizados que armazenam, processam e protegem grandes quantidades de dados), o tempo gasto para a consolidação dos dados impede a tomada de decisões em tempo real, utilizando o dado no momento de sua criação para suportar algum processo de negócio.  Data Warehouses e Data Lakes e outras estratégias de consolidação de dados continuam sendo muito importantes para a indústria, “entretanto devem estar alinhadas a arquiteturas/estratégias como Data Fabric e Data Mesh, muito comentadas no mercado” explica Almeida.

É aí que entra o smart data fabric (“tecido de dados inteligentes”, numa tradução literal), uma abordagem de arquitetura que acelera e simplifica o acesso a ativos de dados por toda a empresa e os transforma e harmoniza para torná-los utilizáveis e acionáveis para uma grande variedade de aplicativos comerciais.

Na prática, ele incorpora uma ampla gama de recursos de analytics, incluindo exploração de dados, business intelligence, processamento de linguagem natural e machine learning internamente, permitindo que as organizações obtenham novos insights e utilizem serviços e aplicativos inteligentes e prescritivos.

“Com o smart data fabric é possível criar integração, harmonização e orquestração de dados diversos sem ter de levá-los para uma base central”, explica o executivo da InterSystems. “Isso maximiza o valor obtido de investimentos anteriores em tecnologias de armazenamento de dados, sem a necessidade de substituí-las ou descartá-las.”

Exemplos

O InterSystems IRIS ─ software da InterSystems que simplifica a arquitetura de dados e trabalha integrado a qualquer solução do mercado, incluindo data lakes e data warehouses, alocados na nuvem ou no data center do cliente ─ já incorpora recursos essenciais para empresas que implementam o smart data fabric há quatro anos.

A empresa tem diversos exemplos de implementação de data fabric, inclusive no Brasil. Alguns deles serão apresentados na Febraban Tech, maior evento de tecnologia e inovação do setor financeiro da América Latina que acontece entre os dias 9 e 11 de agosto.

Além de patrocinar o evento, a InterSystems apresentará o painel “Gerenciamento de dados para uma visão 360 graus dos negócios”, conduzido por Ann Kuelzow, head global de Serviços Financeiros na InterSystems, e Flávio Basilio, presidente na BB Tecnologia e Serviços, no dia 11, às 13h30.

A empresa também estará disponível para mostrar seu portfólio, apresentar um case brasileiro e de clientes estrangeiros, além de fazer demonstrações de casos de uso de diferentes áreas do setor financeiro.

Odilon Almeida, senior sales manager da InterSystems: “O smart data fabric maximiza o valor obtido de investimentos anteriores em tecnologias de armazenamento de dados, sem a necessidade de substituí-las ou descartá-las” (InterSystems/Divulgação)

Uma ferramenta para cada negócio

O software da InterSystems tem quatro abordagens baseadas em smart data fabric para empresas do mercado financeiro. A Business 360, que dá suporte a processos de negócios, elabora relatórios gerenciais para executivos no formato que desejarem ─ inclusive processamentos de dados analíticos e transacionais ao mesmo tempo ─ e reports detalhados até para o Banco Central, com análise de risco, de liquidez e de mercado. 

Já a abordagem de cliente permite uma personalização avançada de produtos e serviços, baseada em todas as informações processadas sobre eles. A versão para clientes corporativos ─ bancos de atacado que fazem grandes operações com clientes corporativos ─ compila informações dos clientes divulgadas em plataformas como Reuters e Bloomberg para que o gestor daquele portfólio possa interagir melhor com seu cliente.

A quarta abordagem da ferramenta é destinada a fintechs, cuja capacidade de integrar e interoperar dados é menor do que a de grandes corporações. Empresas de meios de pagamento, por exemplo, têm dificuldade para trazer os dados das maquininhas de cartão de uma maneira muito rápida para processar situações de fraudes.

“Nossa ferramenta ajuda a analisar o histórico de transações de um cliente praticamente em tempo real e liberar ou bloquear a transação, permitindo à instituição financeira assumir o risco com maior eficiência”, justifica Almeida.

Benefícios na prática

Com a plataforma de dados da InterSystems, as organizações são capazes de processar qualquer tipo de informação - estruturada ou não estruturada, como voz, áudio, vídeo, texto, foto, documento etc.

Ela consegue “interpretar” linguagem natural, como em um texto, e entender o que foi pedido e processar a informação. Também permite “olhar” para um banco de dados de informações não estruturadas e criar a visão para que a informação possa ser utilizada.

“Temos uma plataforma de dados muito ágil, flexível e performática capaz de processar qualquer tipo de informação e interoperar com qualquer tipo de base de dados existente dentro e fora do cliente”, aponta o senior sales manager da InterSystems.

Outra vantagem, segundo o executivo, é a agilidade. Como as empresas não têm mais tempo de carregar toda a informação para ser processada numa base central, é preciso usar a informação onde ela está e, só se necessário, trazer para a base central.

“Não adianta eu só ser capaz de ler tudo ou colocar essa informação em outro lugar para servir de fonte, ela tem de ser integrada pelo smart data fabric com o restante das informações”, diz Almeida.

Em um projeto elaborado com um parceiro, por exemplo, uma empresa de meios de pagamento recebe as informações das maquininhas no ponto de venda em tempo real e processa a informação para diferentes bancos. Como cada banco quer ver as informações em relatórios com formatos diferentes, a ferramenta permite a criação de modelos de dados específicos para cada usuário ver da maneira que prefere, sem replicar a informação.

Além disso, o cliente mantém as informações em uma mesma base, permitindo ter uma visão consolidada de sua operação com todos os clientes ao mesmo tempo. Tudo feito com todas as camadas de segurança e alinhadas com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) para que cada cliente veja apenas a sua parte de dados.

Também é um diferencial do InterSystems IRIS criar uma aplicação para processar um trabalho analítico e, em tempo real, interagir com o cliente e já indicar uma ação, como abrir um chamado para que o call center da empresa ligue para o cliente para trabalhar de uma forma diferente.

Há, ainda, a capacidade de executar o modelo de machine learning em tempo real e, se der positivo para fraude, consultar uma “lista do bem” (White List) para, em microsegundos, decidir se aprova ou não a transação e o nível de risco. Caso a transação não se enquadre na lista, além de não aprová-la, a ferramenta gera uma ação, como enviar uma mensagem para o call center.

Expectativas

Em 2021, a área de serviços financeiros da InterSystems teve uma expansão de 35% e a projeção para este ano é crescer entre 40% e 50% de forma orgânica. Grande parte desse aumento se deve a bancos de varejo e de investimento, além de empresas de mercado de capital. Na lista de clientes estão grandes bancos como Credit Suisse, TD Ameritrade, Broadridge, HSBC, FCFCU, Banco do Brasil Tecnologia e Serviços entre outros.

Todo o portfólio da InterSystems foi criado com base nas experiências, provas de conceito, discussões com os clientes e implementação de projetos. “Não é um aprendizado acadêmico, mas foi criado pela prática, com diversos cases que mostram como nossa ferramenta pode ajudar as empresas do setor”, finaliza Almeida.

Quer saber mais sobre smart data fabric e conhecer mais sobre a InterSystems? Acesse aqui ou visite a Febraban Tech para falar com executivos da empresa.