A página inicial está de cara nova Experimentar close button

O guia de uma ex-funcionária para salvar o Facebook

As denúncias de Frances Haugen contra o Facebook, onde trabalhou até recentemente, motivaram uma audiência do Congresso americano na semana passada. Veja as mudanças sugeridas por ela à rede social

O ponto mais importante na opinião de Haugen: o Facebook precisa fazer grandes mudanças no produto que, segundo ela, provavelmente levariam a menos engajamento, um declínio nos dólares de publicidade e, finalmente, menos lucro

O ponto mais importante na opinião de Haugen: o Facebook precisa fazer grandes mudanças no produto que, segundo ela, provavelmente levariam a menos engajamento, um declínio nos dólares de publicidade e, finalmente, menos lucro (Matt McClain-Pool/Getty Images/BLOOMBERG BUSINESSWEEK)

Por Naomi Nix e Anna Edgerton, da Bloomberg Businessweek

Uma gerente de produto que trabalhou na Facebook entregou resmas de páginas de documentos internos para funcionários do governo e para o Wall Street Journal no início deste ano porque, disse ela, chegou à conclusão de que a empresa não era capaz de mudar por conta própria. Quando havia “conflitos de interesse entre lucros, o bem comum e a segurança pública, o Facebook consistentemente optou por priorizar os lucros”, disse Frances Haugen ao Congresso em uma audiência pública em 5 de outubro. “Percebi que precisávamos obter ajuda de fora, que a única maneira de resolver esses problemas é resolvê-los juntos, não resolvê-los sozinhos. ”

Essa audiência aconteceu depois de semanas de graves revelações com base nos documentos que Haugen compartilhou com o Journal e exatamente no dia seguinte a um problema técnico que derrubou os principais produtos do Facebook por horas, contribuindo para um sentimento de crise na empresa.

Haugen disse ao Congresso o que ela achava que o Facebook tinha que fazer para tornar mais seguros, mais saudáveis e menos polarizadores seus principais produtos; a rede social e a plataforma de compartilhamento de fotos, o Instagram. Existem muitas ideias sobre o assunto — o Congresso e as agências federais de fiscalização passaram os últimos anos formulando seus próprios planos para responsabilizar o Facebook — e as sugestões de Haugen nem sempre se alinhavam com as dos mais severos críticos da empresa.

O ponto mais importante na opinião de Haugen: o Facebook precisa fazer grandes mudanças no produto que, segundo ela, provavelmente levariam a menos engajamento, um declínio nos dólares de publicidade e, finalmente, menos lucro. Ela destacou um dos aspectos centrais da experiência da rede social, seu sistema de "classificação com base no engajamento" que determina o que as pessoas veem em seus feeds de notícias.

Em 2018, o Facebook priorizou o engajamento como parte de uma mudança em direção a “interações sociais significativas”, que, segundo a empresa, levaria a mais visibilidade para postagens de amigos e familiares e menos para marcas e editores. O impacto, de acordo com Haugen, era enfatizar o conteúdo que provocava fortes reações emocionais, mesmo que fossem polarizadoras ou de ódio.

Em vez de engajamento, Haugen preferiria que o Facebook mostrasse o conteúdo principalmente em ordem cronológica. Ele já oferece essa opção, mas não permite aos usuários que a tornem sua configuração padrão. Os executivos da empresa disseram que os feeds cronológicos seriam menos relevantes para muitos usuários do que aquele em que seus algoritmos escolhem conteúdo personalizado.

Outra ideia que o Facebook implementou parcialmente é a remoção de "contagens de curtidas", mostrando quantas pessoas reagiram a postagens no Instagram, um recurso que está relacionado à ansiedade social que o produto causa, especialmente em adolescentes. Depois de brincar com a ideia por anos, a empresa disse recentemente que permitiria às pessoas a opção de ocultar contagens semelhantes.

Haugen pediu uma ação mais abrangente, dizendo que as idades mínimas para as redes sociais deveriam ser aumentadas para até 18, porque os jovens ainda não têm as habilidades de autorregulação para ajustar seu comportamento. O algoritmo da plataforma tem "ciclos de feedback em que as crianças usam o Instagram para se acalmar, mas depois são expostas a mais e mais conteúdo que as faz se odiarem", disse ela.

A própria pesquisa do Facebook sobre os danos do uso do Instagram por jovens foi um dos aspectos mais explosivos da série do Wall Street Journal com base nas revelações de Haugen. Em um comunicado, Nick Clegg, vice-presidente do Facebook para assuntos globais, disse que os relatórios continham " deliberadas descaracterizações " sem oferecer detalhes específicos. A empresa disse em outro comunicado que Haugen não estava à altura para entender a abordagem às questões sobre as quais ela testemunhou. A empresa repetiu seu apelo para reformar uma importante lei de 1996 que regula os sites de mídia social.

Legisladores apresentaram vários projetos de lei visando grandes empresas de tecnologia, algumas das quais tratam de aspectos de design de produto. Enquanto membros de ambos os partidos concordam com a necessidade de sistemas mais fortes de proteção de privacidade, eles divergem sobre a questão mais politicamente carregada de moderação de conteúdo, com os democratas focados na disseminação de desinformação e os republicanos acusando as empresas de tecnologia de preconceito contra as visões conservadoras.

Já existe apoio bipartidário para projetos de lei que confrontam o poder de mercado do Facebook e um punhado de outras grandes empresas de tecnologia, e a Comissão Federal do Comércio contestou a aquisição da empresa do Instagram e da plataforma de mensagens instantâneas, WhatsApp. Haugen disse que separar o Facebook não resolveria. Fazer isso, argumentou ela, levaria apenas a empresas menores com os mesmos problemas de privacidade e transparência. E sem o Instagram para impulsionar seu crescimento, o Facebook estagnaria e “continuaria a ser esse Frankenstein que está colocando vidas em risco em todo o mundo”.

Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também