GP Investiments deve comprar fatia na Centauro

GP pode ficar com parte de uma rede que tem chamado a atenção pelo seu faturamento, que hoje chega a R$ 2 bilhões ao ano

Normal
0

false
false
false

PT-BR
JA
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:"Table Normal";
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-parent:"";
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:12.0pt;
font-family:Cambria;
mso-ascii-font-family:Cambria;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-hansi-font-family:Cambria;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;}

São Paulo –  O fundo de private equity GP Investiments deve comprar uma fatia na Centauro, rede de lojas de material esportivo. A informação foi divulgada pelo jornalista Lauro Jardim, em sua coluna Radar na revista Veja desta semana. 

O negócio, segundo o colunista, está ”quase fechado”, tanto que o fundo de private equity já está com um ”pé na empresa’’. Se as negociações se concretizarem, a GP  ficará com parte de uma rede que tem chamado a atenção pelo seu faturamento, que hoje chega a R$ 2 bilhões ao ano.

A Centauro, fundada pelo empresário mineiro Sebastião Bomfim Filho, tem hoje 201 lojas e é considerada a maior rede de roupas e acessórios de esporte da América Latina.

Planos

A GP já afirmou que vai montar um fundo voltado para infraestrutura em 2013. A ideia, segundo contou um dos sócios do private equity, é aproveitar as oportunidades geradas pelo "boom“ das concessões anunciadas pelo governo federal.

Para este ano, a empresa já disse está estruturando um fundo voltado para empresas do setor imobiliário.

Por meio de fundos, a GP Investiments compra participações ou o controle de empresas nas quais é visto potencial de crescimento. No segundo trimestre deste ano, a empresa registrou prejuízo líquido de 49,5 milhões de dólares, acima do resultado negativo de 10,3 milhões sofrido um ano antes.

Em fevereiro deste ano, a GP tentou comprar a construtora Gafisa, mas teve sua oferta rejeitada pelos acionistas.

Em 20 anos, a GP diz ter investido 4 bilhões de reais na compra de 50 empresas. Hoje, só 10 continuam em seu portfólio, entre elas a Tempo Participações, Estácio Universidades, LBR, Allis, BHG, Sascar e BRZ 

*Texto atualizado às 15h30, no dia 24 de setembro de 2012

 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também