Negócios
Acompanhe:

FedEX assina acordo para comprar Rapidão Cometa

A FedEx informou em comunicado que o acordo, do qual não citou valores, faz parte de sua estratégia para ampliar seus negócios na América Latina

A FedEx calcula que a integração dos negócios de distribuição, logística e transporte das duas empresas no Brasil poderá realizar-se, em fases (Getty Images/Getty Images)

A FedEx calcula que a integração dos negócios de distribuição, logística e transporte das duas empresas no Brasil poderá realizar-se, em fases (Getty Images/Getty Images)

D
Da Redação

29 de maio de 2012, 14h37

São Paulo - A americana Federal Express (FedEx) anunciou nesta terça-feira a compra da empresa brasileira de transporte e logística Rapidão Cometa, que era sua representante autorizada no país há mais de uma década.

A FedEx informou em comunicado que o acordo, do qual não citou valores, faz parte de sua estratégia para ampliar seus negócios na América Latina.

A Rapidão Cometa, com sede no Recife e fundada há 70 anos, faz entregas em todos os estados do país para cerca de 17 mil clientes e conta com uma frota de 770 veículos, 145 centrais de distribuição e quase nove mil funcionários.

A multinacional americana informou que, após ter alcançado um acordo de compra com os proprietários da Cometa, espera que a transação possa ser concluída no terceiro trimestre deste ano.

"O Brasil é um mercado com grande potencial de crescimento econômico e também do setor de logística", afirmou o presidente da FedEx para América Latina e Caribe, Juan Cento, citado no comunicado.

"A FedEx poderá oferecer agora uma pasta de serviços mais ampla no Brasil, incluindo transporte aéreo internacional expresso, transporte doméstico terrestre e serviços de valor agregado como cadeia de abastecimentos e soluções logísticas", acrescentou.

A empresa americana informou ainda que o acordo lhe permitirá oferecer aos clientes da Cometa todos seus serviços internacionais, ou seja, acesso direto a mais de 50 países e territórios no mundo.

A FedEx calcula que a integração dos negócios de distribuição, logística e transporte das duas empresas no Brasil poderá realizar-se, em fases, em um período de entre 18 e 24 meses.