Negócios

Estilista e investidora: quem é Julia Koch, a terceira mulher mais rica do mundo?

Filantropa e viúva de David Koch, milionária herdou parcela da segunda maior empresa privada dos EUA

Bilionária: Em sua carreira pessoal, Julia teve uma longa trajetória na moda (Neilson Barnard/Getty Images)

Bilionária: Em sua carreira pessoal, Julia teve uma longa trajetória na moda (Neilson Barnard/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 12 de julho de 2023 às 09h42.

Última atualização em 12 de julho de 2023 às 11h57.

A filantropa Julia Koch, viúva de David Koch, é atualmente a terceira mulher mais rica do mundo, com fortuna estimada em US$ 57,9 bilhões (R$ 282 bilhões), de acordo com o ranking em tempo real da revista Forbes. Com um grande patrimônio em investimentos imobiliários, ela fechou a venda de sua cobertura de sete andares no Upper East Side, em Nova York, por US$ 41 milhões (o equivalente a R$ 199,7 milhões, na cotação atual).

Leia também: As 10 mulheres mais ricas do mundo em 2023 [Atualizado]

Após a morte do marido, em 2019, Julia e seus três filhos, Mary Julia, John Mark e David, herdaram juntos uma participação de 42% Koch Industries, a segunda maior empresa privada dos EUA. O negócio é um conglomerado com subsidiárias de fabricação, comércio e investimentos. O irmão mais velho de David, Charles Koch, é presidente do grupo e também possui uma participação de 42%.

Em sua carreira pessoal, Julia teve uma longa trajetória na moda. Além de atuar como modelo, foi assistente do estilista italiano Adolfo Sardiña. Ao longo dos anos, teve como uma de suas principais clientes a ex-primeira dama Nancy Reagan, esposa de Ronald Reagan, quando este era presidente dos Estados Unidos, entre 1981 e 1989.

Como filantropa, é integrante da Fundação David H. Koch, criada por Charles e David, seu ex-marido. Além disso, ela é do conselho de diretores da School of American Ballet. Para manter e multiplicar sua fortuna, após herdar parte do patrimônio do marido, Julia se engajou recentemente numa série de transações imobiliárias.

No ranking da Forbes, Koch fica atrás apenas das herdeiras da L'Oréal, Françoise Bettencourt Meyers, e do Walmart, Alice Walton.

Investimentos imobiliários

Desde o ano passado, ela anuncia para venda seu duplex com 18 cômodos na valorizada Park Avenue, por US$ 48 milhões (R$ 233 milhões). O imóvel foi adquirido em 2004, do governo japonês, por US$ 18 milhões (R$ 87,7 milhões).

Apesar das vendas, um porta-voz afirmou ao "NY Post" que Julia não pensa em deixar Nova York. Aliás, a filantropa comprou dois apartamentos no Upper East Side do espólio do cofundador da Microsoft, Paul Allen, por um total de US$ 101 milhões (R$ 492 milhões).

Ela também pagou US$ 70 milhões (R$ 341 milhões) por uma propriedade na orla de Southampton, em 2021, e tem uma casa em Palm Beach, uma região de imóveis de alto padrão na Flórida.

Imóvel milionário

O imóvel, de quase 1.400 metros quadrados, foi adquirido por Julia e o marido, David Koch, em 2018, por pouco menos que o preço de venda, US$ 40,25 milhões (R$ 196 milhões), segundo o jornal "Wall Street Journal". O casal comprou a casa do megainvestidor do ramo imobiliário Joe Chetrit. A casa tem projeto de Robert Couturier e reforma assinada pelo arquiteto Peter Marino.

São, ao todo, oito quartos e 10 banheiros, com um hall de entrada feito em mármore, uma escadaria central e um terraço com paisagismo. Um elevador dá acesso a todos os sete andares. Num deles, fica a suíte master do apartamento, de quase 140 metros quadrados, acompanhada de uma sala de estar privativa, uma lareira e duplo banheiro.

De acordo com o jornal "NY Post", a residência tem ainda uma entrada de serviço, uma sala de segurança, uma suíte para funcionários, além de uma academia. O nome do novo comprador ainda não foi divulgado.

Acompanhe tudo sobre:Bilionários

Mais de Negócios

Após falharem em 15 projetos, eles criaram uma startup de logística que está recebendo R$ 12 milhões

11 franquias baratas para trabalhar sem funcionários a partir de R$ 2.850

Inteligência Artificial no Brasil: inovação, potencial e aplicações reais das novas tecnologias

Mundo sem cookies: as big techs estão se adequando a uma publicidade online com mais privacidade

Mais na Exame