Embraer quer fornecedores de cargueiro em 1 ano

São Paulo - A Embraer espera ter em cerca de 1 ano o projeto do cargueiro KC-390 definido e seus fornecedores escolhidos. É praticamente certa a colaboração de um parceiro estrangeiro no desenvolvimento da aeronave, principal aposta da fabricante brasileira na área de Defesa.   A Força Aérea Brasileira (FAB) e a Embraer assinaram em […]
 (EXAME.com)
(EXAME.com)
C
Cesar BianconiPublicado em 10/10/2010 às 03:38.

São Paulo - A Embraer espera ter em cerca de 1 ano o projeto do cargueiro KC-390 definido e seus fornecedores escolhidos. É praticamente certa a colaboração de um parceiro estrangeiro no desenvolvimento da aeronave, principal aposta da fabricante brasileira na área de Defesa.

A Força Aérea Brasileira (FAB) e a Embraer assinaram em 14 de abril do ano passado contrato para o KC-390, com investimento estimado em 1,3 bilhão de dólares bancado pela União.

Embora o governo ainda não tenha formalizado uma encomenda, a expectativa é que a FAB adquira ao redor de 20 unidades do cargueiro, que substituirá a frota de C-130 Hércules, da norte-americana Lockheed.

"O desafio, se concluídas as parcerias estratégicas com governo e base industrial local, é chegar a abril ou maio do ano que vem com o produto claramente definido e fornecedores escolhidos", disse à Reuters o vice-presidente do segmento de Defesa da Embraer, Orlando Ferreira Neto, em entrevista.

Segundo ele, o cronograma do projeto "está absolutamente em dia", na fase de conclusão dos estudos preliminares. A previsão é ter protótipos do cargueiro voando em 2014, com a certificação básica para voos no ano seguinte.

Ainda que seja observadora do programa da FAB para a compra de novos caças, conhecido como FX-2, a Embraer já sabe, de antemão, que será beneficiada seja qual for o vencedor da licitação que envolve a francesa Dassault (favorita na disputa), a norte-americana Boeing e a sueca Saab.

Segundo Ferreira Neto, foram assinados memorandos de entendimentos com os três grupos que buscam o contrato bilionário do governo brasileiro para fornecer os caças.

"Houve oferta de repasses tecnológico e de conhecimento interessantes para a Embraer dentro do KC-390... Isso foi avaliado pelos proponentes (de caças à FAB) e colocado conosco", afirmou Ferreira Neto, sem entrar em detalhes.

A Embraer, que nasceu com a missão de desenvolver aeronaves para a FAB e se converteu em uma das maiores fabricantes mundiais de jatos comerciais após ser privatizada, tem como principal produto de exportação na área militar o avião de treinamento e combate leve Super Tucano.

O desejo é que o KC-390 seja vendido a outras forças aéreas, diante da previsão de um mercado potencial no exterior por 700 cargueiros em um prazo de 15 anos.

A Embraer ainda não tem um preço para o KC-390. Quando o valor da aeronave for definido, Ferreira Neto acredita que a empresa terá condições de iniciar a prospecção efetiva de clientes além da FAB.

A área de Defesa da Embraer deve ter receita de 650 milhões de dólares em 2010, ou 13 por cento do faturamento total estimado pela empresa. Em 2009, as vendas nesse segmento foram de quase 500 milhões de dólares, o que representou 9,1 por cento do total.