Negócios

Eletrosul deve priorizar projetos em construção

Segundo diretor de Engenharia e Operações, prioridade da companhia neste momento está em garantir andamento de projetos em curso ou licitados recentemente


	Energia: a Eletrosul não deve participar de leilões de energia nova ou de linhas de transmissão em 2015
 (Marcelo Casal Jr/Agência Brasil)

Energia: a Eletrosul não deve participar de leilões de energia nova ou de linhas de transmissão em 2015 (Marcelo Casal Jr/Agência Brasil)

DR

Da Redação

Publicado em 26 de fevereiro de 2015 às 18h30.

São Paulo - A Eletrosul, controlada pela estatal federal Eletrobras, não deve participar de leilões de energia nova ou de linhas de transmissão em 2015.

De acordo com o diretor de Engenharia e Operações Ronaldo Custódio, a prioridade da companhia neste momento está em garantir o andamento de projetos em curso ou licitados recentemente.

Em novembro passado, por exemplo, a Eletrosul venceu a disputa por um lote composto por 17 linhas de transmissão e oito subestações no Rio Grande do Sul.

"Nosso foco está em terminar os projetos em andamento, incluindo grandes empreendimentos eólicos e as linhas de transmissão. Na sequência voltaremos a investir em eólicas, aproveitando os projetos de transmissão cujas concorrências vencemos", explicou Custódio em entrevista ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

A Eletrosul e a Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica (CEEE-GT), sócias na Transmissora Sul Litorânea de Energia (TSLE), entregaram no final do ano passado um sistema de transmissão que possibilitará o escoamento de energia gerada no extremo sul gaúcho.

O local, segundo Custódio, tem condições favoráveis de vento e pode ser uma nova fronteira de construção de complexos eólicos.

O Complexo Eólico Campos Neutrais, considerado o futuro maior polo eólico do país, foi instalado entre os municípios de Santa Vitória do Palmar e Chuí e deve atingir a capacidade plena de operação até o final deste ano.

O primeiro parque começou a gerar energia em caráter operacional nesta semana.

"A linha de transmissão na região pode viabilizar diversos projetos que temos em carteira", explicou o executivo.

A mesma estratégia deve ser adotada pela Eletrosul nas áreas onde será construída a linha de transmissão de 2.169 quilômetros de extensão licitada no final de 2014.

A companhia terá até 2017 para entregar o projeto, conforme previsto no edital.

Acompanhe tudo sobre:EletrobrasEletrosulEmpresasEmpresas estataisEnergiaEnergia elétricaEstatais brasileirasHoldingsLeilõesServiços

Mais de Negócios

Cacau Show, Chilli Beans e mais: 10 franquias no modelo de contêiner a partir de R$ 30 mil

Sentimentos em dados: como a IA pode ajudar a entender e atender clientes?

Como formar líderes orientados ao propósito

Em Nova York, um musical que já faturou R$ 1 bilhão é a chave para retomada da Broadway

Mais na Exame