DSM compra Prodap para impulsionar sustentabilidade na pecuária

A multinacional DSM pretende desenvolver as soluções digitais da Prodap para alcançar mais mercados globais
 (Ernesto Reghran/Pulsar Imagens/Divulgação)
(Ernesto Reghran/Pulsar Imagens/Divulgação)
D
Da Redação

Publicado em 07/06/2022 às 14:38.

Última atualização em 07/06/2022 às 14:47.

A multinacional Royal DSM anunciou nesta terça-feira, 7, a compra da Prodap, empresa mineira que combina tecnologia, serviços de consultoria e soluções nutricionais para impulsionar a eficiência e a sustentabilidade na pecuária. O valor da aquisição não foi informado.

Por meio de seu portfólio de soluções digitais, a empresa coleta dados e desenvolve insights em tempo real. As informações são traduzidas em soluções nutricionais sob medida para os clientes, com suporte remoto ou presencial de seus experientes consultores.

Receba gratuitamente a newsletter da EXAME sobre ESG. Inscreva-se aqui

A DSM pretende desenvolver mais as soluções digitais da Prodap para alcançar mais mercados globais e avançar na coleta de dados de várias espécies animais.

"A aquisição contribui para o compromisso de permitir uma redução de dois dígitos nas emissões de gado nas fazendas até 2030 como parte de seus compromissos com o sistema alimentar de 2021', informou a DSM em comunicado.

Com sede em Belo Horizonte, a Prodap tem operações nos estados de Mato Grosso e Minas Gerais e emprega 330 funcionários, atendendo mais de 5.000 fazendas em todo o Brasil. No ano passado a receita foi de R$ 140 milhões.

Para Ivo Lansbergen, EVP da DSM, a pecuária sustentável nunca foi tão grande e urgente. "A nutrição de precisão é um caminho fundamental para melhorar a eficiência e a sustentabilidade da pecuária, criando valor para uma série de partes interessadas, criando valor para uma série de partes interessadas, incluindo agricultores e a sociedade em geral", explicou.

VEJA TAMBÉM: 

Preços globais de alimentos seguem perto de nível recorde

País cria primeira vacina para doença que mata porcos há 100 anos

Megaoperação naval pode proteger exportações da Ucrânia