• AALR3 R$ 20,21 0.05
  • AAPL34 R$ 68,18 2.10
  • ABCB4 R$ 16,87 1.08
  • ABEV3 R$ 13,99 -0.21
  • AERI3 R$ 3,80 4.40
  • AESB3 R$ 10,89 1.78
  • AGRO3 R$ 30,93 0.62
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,40 2.05
  • ALUP11 R$ 27,20 1.49
  • AMAR3 R$ 2,49 3.32
  • AMBP3 R$ 31,36 4.36
  • AMER3 R$ 24,08 2.60
  • AMZO34 R$ 64,63 -3.02
  • ANIM3 R$ 5,70 4.59
  • ARZZ3 R$ 80,41 -1.17
  • ASAI3 R$ 15,97 0.06
  • AZUL4 R$ 21,70 2.84
  • B3SA3 R$ 12,16 1.00
  • BBAS3 R$ 38,29 3.49
  • AALR3 R$ 20,21 0.05
  • AAPL34 R$ 68,18 2.10
  • ABCB4 R$ 16,87 1.08
  • ABEV3 R$ 13,99 -0.21
  • AERI3 R$ 3,80 4.40
  • AESB3 R$ 10,89 1.78
  • AGRO3 R$ 30,93 0.62
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,40 2.05
  • ALUP11 R$ 27,20 1.49
  • AMAR3 R$ 2,49 3.32
  • AMBP3 R$ 31,36 4.36
  • AMER3 R$ 24,08 2.60
  • AMZO34 R$ 64,63 -3.02
  • ANIM3 R$ 5,70 4.59
  • ARZZ3 R$ 80,41 -1.17
  • ASAI3 R$ 15,97 0.06
  • AZUL4 R$ 21,70 2.84
  • B3SA3 R$ 12,16 1.00
  • BBAS3 R$ 38,29 3.49
Abra sua conta no BTG

Com seguro até de cavalos, a 'concierge' de luxo 3SEG entra em expansão

Na prática, a 3 SEG funciona como uma corretora de seguros de luxo que reúne opções “private” com as corporativas
 (Divulgação/3 SEG)
(Divulgação/3 SEG)
Por Victor SenaPublicado em 14/01/2022 14:59 | Última atualização em 17/01/2022 10:30Tempo de Leitura: 5 min de leitura

Dentro de uma estrutura, a corretora 3SEG consegue juntar seguro de cavalos, lanchas, carros de luxo e joias. Para completar, reúne ainda o patrimônio e serviços que os donos destes “brinquedos” têm em suas empresas. Pode ser a frota da firma, o plano de saúde corporativos, a previdência privada.

Na prática, a 3SEG funciona como uma corretora “concierge” de seguros que reúne opções “private” com as corporativas. Na mesma corretora, um executivo pode juntar a proteção dos bens particulares e do que sua empresa tem. Outros exemplos são os tradicionais seguros do risco de engenharia e patrimonial.

A ideia dos sócios Alexandre Delgado, Paulo Kalassa e Sergio Waib foi criar uma solução para o mercado em 2016 que resolvia um problema que eles mesmos encontravam no dia a dia: era impossível achar corretoras que cobrissem bem a diversidade do seu patrimônio pessoal e corporativo.

No mercado de alta renda, esses bens costumavam ficar protegidos de forma espalhada. Em alguns casos, mansões e carros esportivos ficavam até descobertos.

“Nós montamos a 3SEG porque sentíamos falta desse serviço no mercado. Era um segmento muito 'comoditizado', focado em venda de produtos e não em solução e consultoria para o cliente. Você não tinha uma solução multilinha. As corretoras eram verticalizadas e especializadas. Às vezes tem o mesmo nome e logo, mas tem atitudes diferentes e o cliente tem que contar a história dele mais de uma vez”, critica Alexandre Delgado, que chegou a trabalhar sete anos na SulAmérica Seguros.

Em 2021, a empresa cresceu 40% acumulando mais de 30 bilhões de reais em patrimônio segurado.

Em 2020, primeiro ano da pandemia, o crescimento da empresa foi de 90%. Essa disparada pode ser explicada por clientes de alta renda buscando proteção num momento de crise.

Alexandre Delgado e os sócios pensaram num modelo de negócio que não focava em produtos verticais e nem modelos de contrato já prontos no portfólio. A ideia era, nas palavras de Alexandre, "suprir o cliente em toda a vida dele".

A ideia era ouvir caso por caso e a partir dali buscar nas seguradoras especializadas quem toparia fechar a cobertura de cada bem.

Para captar os cerca de 1.700 clientes que fazem parte da empresa, os sócios atuaram principalmente com um trabalho de desenvolver aos poucos a rede de contatos.

Como fazem parte de circuitos de luxo da capital paulista — Alexandre por exemplo frequenta o Clube Hípico de Santo Amaro na zona sul paulistana desde jovem — a aquisição funcionou com relatos de pessoas dentro dos círculos de amizades e colegas do ramo empresarial dos três sócios que foram se expandindo.

No caso de Sergio Waib, o empresário é também apresentador de um programa de negócios na Band desde 2006 e conhecido no meio empresarial e de entretenimento. Ele teve passagem por agências de publicidade e outros veículos de comunicação.

"É muito comum a gente encontrar essas pessoas no clube, no restaurante, na casa do campo", conta Alexandre.

Para convencer as seguradoras a tomarem o risco, os sócios apostam em conhecimento sobre a base de clientes. “A gente traz uma individualização na nossa base e leva a demanda deles para a seguradora. A gente sabe quem eles são, os hábitos deles e consegue dar um crivo". Hoje, a 3SEG transita em mais de 40 seguradoras com quem faz os contratos.

 3 SEG

Sergio Waib, Paulo Kalassa, Alexandre Delgado: sócios criaram solução a partir de demanda que eles mesmo tinham (3 SEG/Divulgação)

Apesar de a área private ser a porta de entrada dos clientes, os “brinquedos” da vida pessoal dos empresários como os cavalos, a casa particular, os barcos e a casa não são o que representa a maior parte do faturamento da empresa. 85% do patrimônio segurado vem do setor corporativo.

Para Paulo Kalassa, um dos grandes diferenciais do negócio foi conseguir mostrar para as seguradoras o real risco da cobertura de certos bens.

Segundo Paulo, a cultura de seguros de luxo no Brasil antes da empresa era diferente. Carros esportivos importados como Porsches, Ferraris e Mustangs costumavam ficar sem cobertura porque as seguradoras acreditavam que os donos tinham comportamento de risco, além de qualquer reparo no carro custar muito. Com isso, o seguro disponível no mercado disparava para valores altíssimos. Para o cliente, acabava não valendo a pena.

Com cálculos refeitos sobre o real risco, os três sócios conseguiam baratear junto às seguradoras os pacotes de cobertura.

Hoje, a 3SEG conta com 1200 carros de luxo sob administração.

O novo momento

Com escritório sede na avenida Faria Lima — ponto ícone não só de porsches e ferraris, mas do mercado financeiro brasileiro — o mercado da 3SEG é principalmente paulistano.

Até 2021, a empresa contava principalmente com as redes de relacionamento dos três sócios para a aquisição dos clientes, mas agora no começo de 2022 o modelo irá se ampliar.

“A gente abriu mão de vendedores. A gente tem uma equipe comercial, mas a força sempre partiu dos sócios para a gente enraizar essa cultura de foco no cliente e serviço", explica Paulo Kalassa.

Com esse enraizamento, a empresa agora neste começo de 2022 dobora a aposta no modelo de negócio e decidiu contratar. A 3SEG está com 15 vagas abertas, inclusive para fora de São Paulo.

Segundo Alexandre, o modelo já estaria testado e consolidado.

"Os clientes se sentem muito confortáveis de ter na empresa três CPFs como os nossos, que não são de vendedores que correm o risco de ligar para eles num outro dia, de outro lugar, e prospectar eles de uma empresa concorrente. Eles sabem que estão em uma operação de donos", diz o presidente.