Colapso no Amazonas poderia ter sido evitado, diz fabricante de oxigênio

Dono da principal fabricante brasileira de oxigênio afirma que quantidade do gás consumida na região é 'ridícula' perto do que se vende no país e que faltou planejamento

O colapso no sistema de saúde do Amazonas, causado pela falta de oxigênio para os pacientes com covid-19, poderia ter sido evitado se houvesse mais planejamento por parte do setor e do poder público. É o que afirma o empresário Newton de Oliveira, presidente da Indústria Brasileira de Gases, uma das principais empresas do setor, baseada em São Paulo.

O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor

“Está todo mundo procurando um culpado. O que houve foi uma somatória de erros, tanto do setor que opera lá quanto do governo. Essa quantidade de oxigênio que está sendo consumida lá é ridícula perto do que se vende no país. Não deveria ter dado essa repercussão toda, é algo que poderia ter sido planejado”, afirma. O consumo de oxigênio no Amazonas está em cerca de 75 mil metros cúbicos por dia.

Na visão do empresário, um ponto de atenção é a atuação de apenas uma empresa de maior porte na região. “Gás é estratégico, um país não pode funcionar sem gás. Uma das coisas que não deveria ter sido permitida é a atuação de uma só empresa na região”, afirma o empresário. O estado é abastecido majoritariamente pela companhia White Martins, subsidiária da multinacional Linde PLC, com sede na Irlanda. Além dela atuam ainda duas companhias menores: a Carboxi e a Nitron da Amazônia.

No entanto, segundo Oliveira, a instalação de outra companhia de maior porte na região é complexa. “Lá o mercado é pequeno. Em condições normais ele não comporta outro fabricante. O governo precisaria pensar em uma solução para isso”, diz. Em entrevista à CNN, o prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), afirmou que a região é “refém de um monopólio”, já que só uma empresa vende oxigênio para os hospitais públicos e privados.

Outro aspecto importante, segundo o presidente da IBG, foi a falta de informação sobre o que ocorria no Amazonas. “Nós do setor desconhecíamos o problema. Ninguém tinha a informação de que a fábrica da White Martins estava operando em capacidade total”, disse Oliveira. A White Martins opera atualmente em capacidade total, com produção de 28 mil metros cúbicos por dia de oxigênio. No entanto, o empresário afirma que a comunicação entre concorrentes é restrita devido a normas do Cade.

A IBG possui quatro fábricas de oxigênio e opera hoje em 56% de sua capacidade. A estratégia da companhia é manter parte de sua capacidade de produção ociosa, para o caso de precisar paralisar alguma planta por necessidade de manutenção.

A fabricante já enviou cerca de mil cilindros de oxigênio para Manaus, além de um isocontainer para o transporte do oxigênio em estado líquido – em que o produto ocupa menos espaço, o que otimiza o transporte. Agora, a IBG se prepara para enviar mais mil cilindros à região. A companhia tem sido procurada por empresas e artistas interessados em doar oxigênio aos hospitais de Manaus.

A IBG é a principal produtora de oxigênio com capital 100% nacional. A companhia se prepara para investir 80 milhões de reais em uma nova fábrica, que deve ficar pronta em 18 meses. Atualmente, a IBG atua em dez estados, sendo que 30% de sua produção tem como destino o setor médico hospitalar – a companhia atende hoje cerca de 300 hospitais pelo país e diz estar em condições de abastecê-los.

De acordo com o empresário, há no setor a apreensão de que a falta de oxigênio atinja outros estados com problemas logísticos, como Rondônia e Acre. A IBG percebeu aumento na demanda por oxigênio em regiões como Goiás e Distrito Federal, atribuída à transferência de pacientes do Amazonas para esses estados.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.