• AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
  • AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
Abra sua conta no BTG

Colapso no Amazonas poderia ter sido evitado, diz fabricante de oxigênio

Dono da principal fabricante brasileira de oxigênio afirma que quantidade do gás consumida na região é 'ridícula' perto do que se vende no país e que faltou planejamento
 (Reuters/Bruno Kelly)
(Reuters/Bruno Kelly)
Por Mariana DesidérioPublicado em 21/01/2021 09:56 | Última atualização em 21/01/2021 09:56Tempo de Leitura: 4 min de leitura

O colapso no sistema de saúde do Amazonas, causado pela falta de oxigênio para os pacientes com covid-19, poderia ter sido evitado se houvesse mais planejamento por parte do setor e do poder público. É o que afirma o empresário Newton de Oliveira, presidente da Indústria Brasileira de Gases, uma das principais empresas do setor, baseada em São Paulo.

O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor

“Está todo mundo procurando um culpado. O que houve foi uma somatória de erros, tanto do setor que opera lá quanto do governo. Essa quantidade de oxigênio que está sendo consumida lá é ridícula perto do que se vende no país. Não deveria ter dado essa repercussão toda, é algo que poderia ter sido planejado”, afirma. O consumo de oxigênio no Amazonas está em cerca de 75 mil metros cúbicos por dia.

Na visão do empresário, um ponto de atenção é a atuação de apenas uma empresa de maior porte na região. “Gás é estratégico, um país não pode funcionar sem gás. Uma das coisas que não deveria ter sido permitida é a atuação de uma só empresa na região”, afirma o empresário. O estado é abastecido majoritariamente pela companhia White Martins, subsidiária da multinacional Linde PLC, com sede na Irlanda. Além dela atuam ainda duas companhias menores: a Carboxi e a Nitron da Amazônia.

No entanto, segundo Oliveira, a instalação de outra companhia de maior porte na região é complexa. “Lá o mercado é pequeno. Em condições normais ele não comporta outro fabricante. O governo precisaria pensar em uma solução para isso”, diz. Em entrevista à CNN, o prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), afirmou que a região é “refém de um monopólio”, já que só uma empresa vende oxigênio para os hospitais públicos e privados.

Outro aspecto importante, segundo o presidente da IBG, foi a falta de informação sobre o que ocorria no Amazonas. “Nós do setor desconhecíamos o problema. Ninguém tinha a informação de que a fábrica da White Martins estava operando em capacidade total”, disse Oliveira. A White Martins opera atualmente em capacidade total, com produção de 28 mil metros cúbicos por dia de oxigênio. No entanto, o empresário afirma que a comunicação entre concorrentes é restrita devido a normas do Cade.

A IBG possui quatro fábricas de oxigênio e opera hoje em 56% de sua capacidade. A estratégia da companhia é manter parte de sua capacidade de produção ociosa, para o caso de precisar paralisar alguma planta por necessidade de manutenção.

A fabricante já enviou cerca de mil cilindros de oxigênio para Manaus, além de um isocontainer para o transporte do oxigênio em estado líquido – em que o produto ocupa menos espaço, o que otimiza o transporte. Agora, a IBG se prepara para enviar mais mil cilindros à região. A companhia tem sido procurada por empresas e artistas interessados em doar oxigênio aos hospitais de Manaus.

A IBG é a principal produtora de oxigênio com capital 100% nacional. A companhia se prepara para investir 80 milhões de reais em uma nova fábrica, que deve ficar pronta em 18 meses. Atualmente, a IBG atua em dez estados, sendo que 30% de sua produção tem como destino o setor médico hospitalar – a companhia atende hoje cerca de 300 hospitais pelo país e diz estar em condições de abastecê-los.

De acordo com o empresário, há no setor a apreensão de que a falta de oxigênio atinja outros estados com problemas logísticos, como Rondônia e Acre. A IBG percebeu aumento na demanda por oxigênio em regiões como Goiás e Distrito Federal, atribuída à transferência de pacientes do Amazonas para esses estados.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.