Cade investiga supostas condutas anticompetitivas da Bayer e Monsanto

O caso teve início a partir de denúncias feitas durante a aquisição da norte-americana pela empresa alemã, em um negócio de 63 bilhões de dólares

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) instaurou nesta quinta-feira processo administrativo contra as empresas Bayer e Monsanto, que integra o grupo alemão, para investigar supostas condutas anticompetitivas nos mercados de sementes e biotecnologia.

Segundo nota do Cade, o caso teve início a partir de denúncias formuladas durante a instrução do ato de concentração que envolveu a aquisição da Monsanto pela Bayer, um negócio de 63 bilhões de dólares, que foi aprovado com restrições pelo Cade, em fevereiro de 2018.

De acordo com a superintendência do Cade, no Programa Monsoy Multiplica (PMM), da Monsanto, a forma de cálculo dos descontos gera incentivos para que os multiplicadores participantes aumentem a proporção de sementes Monsoy ou sementes com biotecnologia Intacta (de propriedade da Monsanto) em sua cesta de multiplicação, induzindo a fidelização.

Com a instauração do processo, disse o Cade, a superintendência do conselho vai avaliar se o programa tem potencialidade de gerar efeitos de fechamento de mercado para outros obtentores concorrentes da Monsoy ou de dificultar o desenvolvimento de obtentores concorrentes no segmento de sementes de soja.

A segunda conduta investigada diz respeito à concessão de incentivos comerciais, pela Monsanto, para que os obtentores desenvolvam cultivares de soja com biotecnologia Intacta. A apuração preliminar apontou que, no caso concreto, os incentivos concedidos pela Monsanto podem ter efeitos de fidelização.

Neste caso, a superintendência do Cade irá avaliar se a concessão desses incentivos tem o potencial de reduzir a disponibilidade de cultivares não-Intacta para o agricultor.

A terceira conduta investigada corresponde à previsão contratual, pela Monsanto, de que o multiplicador de sementes de soja adquira sementes matrizes Monsoy na proporção de pelo menos 15% de seus campos de produção, na safra subsequente ao contrato.

Apesar de o órgão do Cade ter constatado que a Monsanto não tem exigido o cumprimento da cláusula, a investigação apontou que a empresa teria benefícios econômicos caso o fizesse, enquanto os multiplicadores poderiam ter seus custos aumentados.

Para o órgão, a prática pode ter como efeitos a fidelização dos multiplicadores nas safras subsequentes e a limitação da liberdade de escolha do multiplicador.

Com a instauração do processo administrativo, as empresas serão notificadas para apresentação de defesa.

Ao final da instrução processual, a superintendência do órgão opinará pelo arquivamento ou pela imposição de sanções por infrações à ordem econômica, disse a nota do Cade.

Confira a nota enviada pela Bayer:

"Depois de um longo processo, o CADE decidiu por arquivar o inquérito em relação a eventuais condutas e por seguir a análise de uma minoria delas. A Bayer sempre cumpriu fielmente o que determina a legislação, prestando todo e qualquer esclarecimento necessário ao CADE. A Companhia segue confiante quanto ao resultado do processo administrativo, que confirmará que não há qualquer infração concorrencial."

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.