Brasil acusa Bombardier de receber subsídios ilegais

O Itamaraty vai levar o caso à OMC para que a entidade julgue o que o Brasil acredita ser uma violação das regras internacionais

Genebra - A Bombardier se beneficiou nos últimos anos de um "arsenal" de subsídios, camuflados em isenções fiscais municipais, ajuda ambiental, incentivo a contratação de empregados, compra de ações por parte do governo e investimentos para o desenvolvimento tecnológico e de defesa nacional. Nesta quinta-feira, o Itamaraty vai levar o caso à Organização Mundial do Comércio (OMC), solicitando que a entidade julgue o que o Brasil acredita ser uma violação das regras internacionais.

O principal argumento do governo é que, diante de um apoio do Estado canadense em mais de 20 diferentes programas, a Bombardier prejudicou as exportações da Embraer. Nos documentos entregues pelo Itamaraty sobre o caso, o governo lista diversos programas canadenses que, em diferentes níveis, teriam sido usados para dar uma competitividade desleal às vendas da Bombardier, que no total recebeu mais de US$ 3 bilhões em apoio.

Um dos pontos de ataque é a Estratégia Aeroespacial de Quebec que, em dez anos, teria garantido recursos para a empresa no valor de 700 milhões de dólares canadenses. Isso, na avaliação do Brasil, ocorreu por conta do financiamento à pesquisa e desenvolvimento, compra de ações de fundos, ampliando linhas de crédito para a inovação, recursos para o desenvolvimento de tecnologia aeroespacial, isenções fiscais e o financiamento de compra de equipamentos locais. Uma empresa, a Aéro Montréal, ainda foi criada pelo governo e passou a ter a Bombardier como principal fornecedor.

O Brasil alega que, no ano passado, o governo de Quebec anunciou mais 510 milhões de dólares canadenses até 2026, incluindo mecanismos para promover aeronaves mais ecológicas. "O Brasil considera que as medidas e iniciativas fornecem subsídios diretos e indiretos para a Bombardier", denunciou o Itamaraty.

A lista dos subsídios canadenses denunciados ainda inclui isenções fiscais e apoio em impostos imobiliários nos locais de produção do jato, na cidade de Mirabel. O incentivo seria válido pelos primeiros dez anos de produção. Até mesmo a empresa Aéroports de Montréal também passou a isentar a Bombardier de certas taxas para o uso das instalações.

Pelas regras da OMC, o país acusado tem o direito de recusar a abertura de um processo na primeira ocasião em que ele é apresentado. Por isso, a abertura de uma disputa deve ser vetada nesta quinta-feira. Mas isso vai apenas adiar o início do caso para setembro, quando o Brasil deve voltar a colocar o item na agenda da entidade.

"Estamos decepcionados com a decisão do Brasil", disse a Bombardier, em um comunicado. "Temos confiança de que os investimentos e contribuições recebidas respeitam as regras internacionais."

Para o governo brasileiro, porém, o apoio camuflado em dezenas de programas deslocou as vendas da Embraer, que lutava pelos mesmos contratos da Bombardier no mercado de jatos regionais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.