Boeing espera retomar produção do 737 MAX ainda este ano

O presidente-executivo, Dave Calhoun, disse que a empresa não considera acabar com a fabricação e que o avião vai continuar voando por uma geração

O presidente-executivo da Boeing, Dave Calhoun, afirmou a jornalistas nesta quarta-feira que a fabricante de aviões espera reiniciar a produção do 737 MAX meses antes da esperada retomada dos voos da aeronave, em meados do ano, e a companhia não planeja suspender ou reduzir pagamento de dividendos.

A Boeing anunciou em dezembro interrupção de produção do avião quando esperava-se, à época, que a suspensão dos voos da aeronave, após duas quedas que mataram 346 pessoas, duraria até meados deste ano.

Calhoun disse que a Boeing não está considerando descontinuar o MAX e que o avião vai continuar voando por uma geração. Ele também disse que a Boeing não vai lançar uma campanha de marketing para recuperar clientes da aeronave.

Ele também revelou que a Boeing está começando do zero um novo avião de médio porte, mas não ficou claro se a empresa está abandonando o design atual.

A Boeing afirmou na terça-feira que espera que autoridades de aviação liberem o 737 MAX para voar em meados deste ano. Calhoun disse que não considera como "problema sério" recentes questões levantadas sobre fiação ou software do avião.

Calhoun disse que a Boeing não está planejando cortar ou suspender dividendo porque a empresa tem "capacidade financeira e capacidade para fazer as coisas que precisamos fazer". O executivo comentou ainda que "vai manter o posicionamento a menos que algo dramático mude".

Ele evitou comentar data específica para o retorno da produção do 737 MAX, mas disse que a Boeing vai fazer mudanças na linha de montagem para torná-la mais eficiente.

Calhoun foi diretor na Boeing por uma década antes de assumir a presidência-executiva neste mês. O conselho de administração da companhia demitiu Dennis Muilenburg em dezembro em meio a crescentes críticas contra a Boeing por parte de reguladores, políticos e clientes.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.