Apresentado por DIAGEO

Vinicius Demian, do Santana Bar, é o grande vencedor do World Class

Vencedor da etapa brasileira do torneio, considerado a maior competição de coquetelaria do mundo, o bartender irá representar o país no desafio mundial, na Austrália
Vinicius Demian, bartender vencedor do World Class BR 2022 (Diageo/Divulgação)
Vinicius Demian, bartender vencedor do World Class BR 2022 (Diageo/Divulgação)
e
exame.solutions

Publicado em 24/06/2022 às 09:00.

Última atualização em 28/06/2022 às 16:12.

Discreto, disciplinado e boa-praça, Vinicius Demian entrou para a história da coquetelaria brasileira nesta terça-feira, 21, ao vencer a etapa nacional do World Class 2022. Trata-se, como todo mundo sabe, do maior e mais respeitado torneio de coquetelaria do planeta — é organizado pela Diageo, líder mundial de bebidas alcoólicas destiladas.

Bartender do Santana Bar, em Pinheiros, Demian conquistou o cobiçado título de “Melhor Bartender do Brasil” depois de enfrentar dez competidores igualmente afiados. A final foi realizada durante o primeiro dia da segunda edição do Bar Convent São Paulo.

Por sinal, a próxima edição paulistana da feira, uma referência para o setor de bares e bebidas premium, já está confirmada: será de 5 a 6 de junho de 2023 no Pavilhão da Bienal, no Parque do Ibirapuera.

Como foi a final do World Class

Na primeira parte da final do World Class, os competidores precisaram apresentar dois coquetéis autorais utilizando marcas ícones da Diageo — Johnnie Walker e Tanqueray Nº. Ten. Com um detalhe: um dos drinques precisava remeter à cidade natal dos concorrentes e o outro a um lugar que eles gostariam de visitar.

Quatro dos 11 finalistas foram selecionados para a fase derradeira da disputa: Ariel Todeschini, do curitibano Royalty Café; Michell Agues, do carioca Vian Ipanema; Nicola Bara, do também carioca Arataca; e, claro, Demian.

Os sete bartenders que ficaram pelo caminho foram esses: Alisson Oliveira, do paulistano Caledonia Whisky & Co; Bárbara Calheiras, do brasiliense Primo Pobre Bar; Gabriel Bueno, do curitibano Astro Lab; Jonatan Reis, do paulistano Cubo Bar; Karla Cardoso, do goiano Aquarius Marista; Marco Ruiz Junior, do sorocabano Amiiici; e Rodolfo “Bob” Ferreira, também do Caledonia.

Gustavo Guedes, do Southside, em Brasília, também chegou à final. Mas não pode participar, pois seu filho estava para nascer.

A receita do drinque campeão

Um dos drinques que Demian desenvolveu para a etapa final ganhou o nome de The Orange Tool. Ele leva vodca Ketel One (50 ml), Club soda (40 ml), purê de laranja (60 g), bitter aromático (5 ml) e uma fatia de laranja desidratada (1 g).

Orange Tool: drinque leva vodca Ketel One, Club soda, purê de laranja, bitter aromático e uma fatia de laranja desidratada (Diageo/Divulgação)

Quer fazer esse coquetel em casa?

Numa coqueteleira cheia de gelo, acrescente a vodca e o purê de laranja. Bata em seguida e coe a mistura, duplamente. Sirva num copo longo no estilo Highball, adicione Club Soda e mexa delicadamente. Depois é só despejar o bitter e decorar com a laranja desidratada. (Teor alcoólico = 11,2%)

Seis minutos de desafio

Na etapa derradeira da disputa, que roubou as atenções no primeiro dia do Bar Convent São Paulo, os quatro finalistas precisaram preparar seis drinques em apenas 6 minutos com destilados da categoria Reserve da Diageo, representada pelos rótulos premium, a exemplo da vodca Ketel One.

A escolha do campeão brasileiro coube a um júri formado por cinco experts do segmento, os bartenders Kennedy Nascimento, Laércio Zulu, Marquinhos Felix, Diogo Sevilio, Gabriel Santana e Adriana Pino. Mas não só.

Por meio de um QR Code, o público da feira também pôde votar — a soma de todas as notas deu a vitória para Demian, bartender há pouco mais de seis anos.

A grande final mundial

O título lhe abre as portas para a final global do World Class, que, neste ano, será realizada em Sydney, na Austrália, entre os dias 10 e 15 de setembro.

Ao todo, 257 bartenders de 19 estados brasileiros se inscreveram para a etapa brasileira, iniciada em outubro de 2021. Após as inscrições, os profissionais participaram de sessões do World Class Studios, plataforma educacional e colaborativa desenvolvida para inspirar o mundo da coquetelaria.

Chegaram à etapa classificatória nada menos que 87 bartenders. As fases seguintes, que definiram os 12 finalistas, foram conduzidas por quatro embaixadores de rótulos da Diageo: Kennedy Nascimento, Talita Simões, Jessica Sanchez e André Bueno.

No ano passado, não dá para esquecer, o campeonato precisou mergulhar no universo digital para driblar as dificuldades impostas pela covid-19 e manter a chama da coquetelaria acessa. Daí que a edição deste ano ganhou um sabor especial.

“É a cereja do bolo de um movimento de retomada do setor”, diz Manoela Mendes, diretora do portfólio Reserve da Diageo. “Essa indústria está cada vez mais reconhecendo a importância dos bartenders. São eles que estão na ponta da cadeia, em contato com os nossos consumidores”.

Word Classs 2022: vencedor comemora ao lado de outros finalistas (DIAGEO/Divulgação)

O reconhecimento aos bartenders

Manoela faz questão de lembrar que o ofício de Demian não se resume à simples mistura de destilados e ingredientes variados. “Também se trata do que misturar e de que forma”, argumenta. “Envolve a história por trás das combinações, a origem dos ingredientes e referências a outras épocas da coquetelaria. E ainda tem o carisma que todo bartender precisa ter, a técnica e a necessidade de entender os consumidores. É um profissional que precisa ser valorizado”.

Para Patricia Borges, vice-presidente de marketing da Diageo, a comunidade de bartenders, reconhecidos e enaltecidos pelo World Class, é tão estratégica quanto a dos consumidores finais. “Quem escolhe as marcas que serão usadas nos coquetéis servidos nos bares são os primeiros”, diz ela. “E são os bartenders que ensinam os consumidores a gostar de determinado drinque”.

Lembra em seguida de uma frase repetida na indústria com frequência: “dependendo da execução de um bartender, você pode gostar mais ou menos de qualquer coquetel”.

Para ajudar a colocar os bartenders nos holofotes, vale dizer, a empresa também criou a Diageo Bar Academy, que fornece diversos módulos de treinamentos para bartenders em mais de 40 países.

Outra iniciativa cujo objetivo é parecido ganhou o nome de Learning For Life. Trata-se de um programa de capacitação profissional na carreira de bartender voltado para adultos desempregados ou em situação de vulnerabilidade social. Já formou mais de 22 mil pessoas, entre as quais a bartender Bianca Lima, campeã do World Class Brasil 2021.

“Estamos comprometidos em liderar a cultura da coquetelaria no Brasil e o crescimento dela”, afirma Paula Lindenberg, presidente da Diageo no país. “O World Class Brasil consagra o bartender que vai concorrer com os melhores do mundo em Sydney, na Austrália, e também ajuda a elevar a profissão, inspirando novos profissionais a abraçá-la”.