ALL-Rumo será julgado dia 11 pelo Cade

O órgão antitruste poderá limitar a atuação da Raízen, joint venture entre Shell e Cosan

São Paulo - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) deverá analisar a fusão entre América Latina Logística (ALL) e Rumo, do grupo Cosan, na próxima quarta-feira, 11.

O jornal O Estado de S. Paulo apurou que o órgão antitruste poderá limitar a atuação da Raízen, joint venture entre Shell e Cosan, com atuação em distribuição de combustíveis e líder na produção de açúcar e etanol no País.

A expectativa sobre uma decisão definitiva sobre o caso ALL-Rumo é grande. Na quinta-feira, 5, as ações da ALL encerraram com alta de 21,4%, a R$ 4,42.

Os papéis da Cosan Logística subiram 27,9%, a R$ 2,70. A forte alta reflete as apostas do mercado de que a fusão poderá ser aprovada, mesmo com restrições.

A preocupação é que a Raízen não seja beneficiada em relação aos concorrentes. Medidas comportamentais já teriam sido debatidas entre o órgão antitruste e as companhias, de acordo com fontes a par do assunto.

Empresas e associações de produtores de grãos, que se manifestaram contra a união, sugerem restrições mais severas, como venda de ativos e entrada de operadores ferroviários independentes.

No dia 9 de dezembro, a Superintendência-Geral do Cade recomendou ao tribunal do órgão antitruste a impugnação da operação, indicando em seu relatório preocupações concorrenciais sobre a fusão.

O conselheiro Gilvandro Araújo foi nomeado relator desse caso. Araújo foi o conselheiro que reprovou a compra dos ativos da Solvay no Brasil e na Argentina pela petroquímica Braskem, em novembro do ano passado.

Nas últimas semanas, advogados das duas companhias intensificaram diálogos com o órgão antitruste para esclarecer qual será o papel da nova companhia, formada a partir da união entre Rumo e ALL, para afastar preocupações concorrenciais identificadas.

Reclamantes

Desde julho passado, quando o caso da ALL-Rumo deu entrada no Cade, foram apresentadas quase 15 impugnações - manifestação de terceiros interessados na operação.

Além de associações de soja e tradings, produtores de papel e celulose, como a Fibria, se pronunciaram sobre o caso.

Fontes a par do assunto informaram à reportagem que a união entre ALL-Rumo não reduziria o transporte de grãos pela malha ferroviária. Pelo contrário.

"A Rumo é a única empresa que possui um terminal que atende a diversas companhias de soja. As tradings possuem terminais próprios", disse uma fonte.

Procuradas, ALL e Cosan não comentam. O Cade confirmou que o caso foi colocado na pauta do dia 11. No entanto, esclareceu que algum conselheiro poderá pedir vistas do processo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.