Aéreas alertam para interrupções ‘catastróficas’ com 5G nos EUA

Airlines for America pede que frequências de banda C não sejam colocadas em até duas milhas de onde aeronaves circulam
 (Reuters/Reuters)
(Reuters/Reuters)
B
Bloomberg

Publicado em 18/01/2022 às 15:44.

Última atualização em 18/01/2022 às 18:18.

Uma associação comercial que representa as principais companhias aéreas dos EUA pediu ao secretário de Transportes Pete Buttigieg e aos principais reguladores de comunicação e aviação do país para impedir que operadoras de telefonia móvel implementem serviços 5G perto de aeroportos.

A pandemia mexeu com a saúde mental dos brasileiros, mas é possível dar a volta por cima. Descubra como.

A Airlines for America alertou em uma carta na segunda-feira que o público pode sofrer interrupções “catastróficas” se as novas frequências de banda C forem colocadas a duas milhas de onde aeronaves circulam. A associação disse estar disposta a trabalhar com o governo e as operadoras para encontrar uma solução mutuamente aceitável.

Operadoras incluindo AT&T e Verizon Communications chegaram a um acordo com reguladores federais no início deste mês para lançar o novo serviço em 19 de janeiro. As companhias aéreas estão preocupadas de que os sinais possam interferir nos instrumentos que medem a altitude de uma aeronave.

Em um memorando para funcionários visto pela Bloomberg, o CEO da JetBlue Airways, Robin Hayes, disse que a companhia aérea enfrenta “potenciais interferências significativas nos voos a partir de quarta-feira, que estressarão ainda mais o já frágil sistema aéreo e prejudicarão o público que viaja”.

Hayes disse que há pouca transparência nos dados por trás da decisão de implantar o 5G perto de aeroportos e que as preocupações sobre uma possível interferência nos equipamentos das aeronaves aumentaram. A medida pode atrasar a recuperação do setor de aviação da pandemia, disse ele.

A Administração Federal de Aviação (FAA) autorizou no domingo que alguns jatos operem em zonas onde novos serviços 5G estão sendo utilizados, reduzindo significativamente o impacto potencial nos horários dos voos. A decisão permite pousos com baixa visibilidade em até 48 dos 88 aeroportos dos EUA com equipamentos para tais chegadas, disse a FAA.

Dois membros do Congresso dos EUA -- Peter De Fazio, chair do Comitê de Transporte e Infraestrutura da Câmara, e Rick Larsen, chair do Subcomitê de Aviação -- juntaram-se às companhias aéreas na segunda-feira para pedir que reguladores atrasem a implementação.

“Devemos fornecer à FAA e à indústria da aviação mais tempo para avaliar minuciosamente os riscos de implantação, a fim de evitar interrupções potencialmente desastrosas em nosso sistema de espaço aéreo nacional”, escreveram os dois democratas em uma carta.

O futuro do varejo é 100% digital? Entenda assinando a EXAME por menos de R$ 11/mês.