A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Trump justifica demissão de oficial do exército que testemunhou contra ele

O tenente-coronel Alexander Vindman foi escoltado na sexta-feira para fora da Casa Branca; advogado considerou a medida um ato de vingança pelo presidente

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu neste sábado (8), sua decisão de demitir um oficial do exército que forneceu provas condenatórias contra ele durante a investigação do julgamento político.

O tenente-coronel Alexander Vindman foi escoltado na sexta-feira para fora da Casa Branca, onde trabalhou no Conselho de Segurança Nacional como especialista na Ucrânia.

Seu advogado considerou a medida um ato de vingança pelo presidente, dois dias depois de ser absolvido pelo Senado.

Vindman, que era diretor de Assuntos Europeus no Conselho de Segurança Nacional, esteve presente durante o famoso telefonema de 25 de julho, durante o qual Trump pediu ao presidente ucraniano Volodimir Zelenski para abrir uma investigação sobre seu rival político Joe Biden.

Os democratas da Câmara, que acusaram Trump de abuso de poder e obstrução do Congresso, argumentaram que o apelo fazia parte de um esforço conjunto para forçar um aliado estrangeiro enfraquecido após a guerra com a Rússia a ajudá-lo a jogar sujo nas eleições presidenciais americanas de novembro.

Citado pelo Congresso para testemunhar nas audiências de julgamento político da Câmara dos Deputados, Vindman, nascido na Ucrânia, que foi condecorado por sua participação na guerra no Iraque, disse que as ações de Trump eram "impróprias".

Esse testemunho ajudou a construir o caso que levou Trump a se tornar o terceiro presidente acusado pelo Congresso.

Trump atacou Vindman em tuíte neste sábado.

"As notícias falsas de @CNN e MSDNC ainda estão falando sobre o 'tenente-coronel' Vindman como se ele fosse maravilhoso", escreveu Trump, aparentemente se referindo ao veículo de mídia MSNBC.

"Na verdade, eu não o conheço, nunca falei com ele ou o conheci (acho que não!), mas ele era muito insubordinado, relatou incorretamente o conteúdo de minhas chamadas 'perfeitas'". "Em outras palavras, 'FORA'", acrescentou.

O advogado de Vindman, David Pressman, disse que o policial foi "escoltado para fora da Casa Branca, onde serviu adequadamente seu país e seu presidente".

"A verdade custou ao tenente-coronel Alexander Vindman seu trabalho, sua carreira e sua privacidade", disse Pressman. "Ele serviu o país, mesmo se arriscando".

"E por isso, o homem mais poderoso do mundo, impulsionado pelo silêncio, flexibilidade e cumplicidade, decidiu se vingar", completou.

Na sexta-feira, Gordon Sondland, embaixador dos Estados Unidos na União Europeia e que também testemunhou contra Trump, disse ter sido informado da intenção do presidente de "retirá-lo imediatamente" de seu cargo, em comunicado obtido pelo The New York Times.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também