Mundo

EUA divulgam vídeos sobre suposto ataque químico na Síria

Nos vídeos, divulgados pela rede de televisão 'CNN', se pode observar crianças sofrendo convulsões após o suposto ataque, e pessoas tentando acalmá-las

A autenticidade destes vídeos divulgados pela CNN foi confirmada pelos serviços de inteligência americanos. (foto/AFP)

A autenticidade destes vídeos divulgados pela CNN foi confirmada pelos serviços de inteligência americanos. (foto/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 8 de setembro de 2013 às 10h30.

Washington- A Comissão de Inteligência do Senado dos Estados Unidos divulgou neste domingo em seu site uma série de vídeos nos quais são vistas as consequências sobre um grupo de adultos e crianças do suposto ataque com armas químicas ocorrido no dia 21 de agosto e que foi atribuído ao governo da Síria.

Nos 13 vídeos, divulgados pela rede de televisão 'CNN', se pode observar um grupo de crianças sofrendo convulsões após o suposto ataque, e várias pessoas tentando acalmá-las e oferecê-las água. De acordo com o Senado, a autenticidade destes vídeos foi confirmada pelos serviços de inteligência americanos.

Em entrevista à 'CNN', o ex-embaixador dos EUA para as Nações Unidas, Bill Richardson, explicou que as imagens servirão 'para sensibilizar o povo americano de que isso não é simplesmente uma intervenção, que é um ataque militar para deter este tipo de atrocidade'.

Espera-se que estes vídeos sejam mostrados amanhã aos membros da Câmara dos Representantes. As imagens fazem parte do esforço realizado pelo governo do presidente Barack Obama para defender a intervenção militar na Síria.

Obama pediu a autorização do Congresso dos EUA para dirigir esta operação bélica, e espera-se que o plenário do Senado vote nesta mesma semana sobre o tema.

De acordo com o governo americano, o suposto ataque com armas químicas no sul de Damasco causou a morte de mais de mil pessoas, entre elas cerca de 400 crianças. EFE

Acompanhe tudo sobre:ArmasCNNEmpresasSíria

Mais de Mundo

Governo de Israel estenderá serviço militar obrigatório para três anos

Netanyahu desmente que Israel tenha intenção de abandonar a frontera de Gaza com Egito

Por que Taylor Swift pode influenciar Banco da Inglaterra na decisão sobre as taxas de juros

Por que o apoio financeiro de Hollywood a Biden pode estar ameaçado

Mais na Exame