Rússia diz que apoia Exército da Síria e não Assad

Lavrov garantiu que a prioridade da Rússia na Síria é a "luta antiterrorista" e alertou sobre o vazio de poder caso o regime sírio seja derrubado

Viena - O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, afirmou nesta terça-feira que Moscou não apoia o presidente sírio, Bashar al Assad, mas sim ao Exército do país na luta contra o terrorismo.

"Não apoiamos Al Assad, mas a luta contra o terrorismo. No terreno, não há melhor força que o Exército sírio, apesar de todas suas debilidades", disse Lavrov em entrevista coletiva ao lado do secretário de Estado dos EUA, John Kerry, e do enviado especial da ONU para a Sìria, Staffan de Mistura.

"Não protegemos alguém de forma especial, mas um Estado soberano da ONU, cujo governo assim solicitou. Um Estado soberano e politicamente independente", destacou o chanceler russo.

Lavrov garantiu que a prioridade da Rússia na Síria é a "luta antiterrorista" e alertou sobre o vazio de poder caso o regime sírio seja derrubado pelos diferentes grupos que atuam no país.

"Ouvi alguns países-membros dizerem hoje que devemos escolher lutar contra o terrorismo ou apoiar o regime. Acredito que isso é um erro", criticou Lavrov após a reunião realizada pelo Grupo Internacional de Apoio à Síria, na qual participaram mais de 20 países.

Segundo o chefe da diplomacia russa, uma situação de caos na Síria beneficiaria organizações radicais como a Frente al Nusra, filial da Al-Qaeda no país, e o Estado Islâmico (EI), que aproveitariam o vazio de poder para se expandir.

"Quem vai controlar o território libertado?", questionou Lavrov.

O ministro russo alertou, além disso, sobre a situação humanitária na Síria e ressaltou que as "sanções unilaterais" estabelecidas pelas potências ocidentais contra Al Assad complicaram a situação dos moradores do país.

A cúpula do Grupo Internacional de Apoio à Síria de hoje terminou sem acordos concretos, mas serviu para reunir apoios para ampliar o atual cessar-fogo para outras partes do país.

Os países reunidos também não conseguiram fixar uma data para a próxima rodada de negociações de paz entre o regime sírio e os rebeldes em Genebra. No entanto, De Mistura tentará convocar o encontro antes do mês sagrado do Ramadã, que começa em 6 de junho.

O Grupo Internacional de Apoio à Síria determinou, porém, o estabelecimento de "pontes aéreas" caso as partes em confronto não permitam o acesso de ajuda humanitária por via terrestre.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.