Protesto contra restrições e vacinas termina em confronto na Bélgica

O protesto atraiu dezenas de milhares de pessoas, algumas viajando da França, Alemanha e outros países para participar
Bélgica: o país está no meio de uma quinta onda de infecções por covid-19, sem expectativas de alcançar o pico por pelo menos algumas semana (Thierry Monasse/Getty Images)
Bélgica: o país está no meio de uma quinta onda de infecções por covid-19, sem expectativas de alcançar o pico por pelo menos algumas semana (Thierry Monasse/Getty Images)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 23/01/2022 às 19:03.

Última atualização em 23/01/2022 às 19:04.

Um protesto contra a exigência de vacinas e as restrições impostas para conter a pandemia de covid-19 terminou em confrontos violentos neste domingo, 23, em Bruxelas, capital da Bélgica. A polícia disparou jatos de água e nuvens espessas de gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes.

O protesto atraiu dezenas de milhares de pessoas, algumas viajando da França, Alemanha e outros países para participar. Os manifestantes gritavam "Liberdade!" enquanto marchavam e alguns participaram de confrontos violentos com a polícia.

Embora a Bélgica tenha anunciado uma leve flexibilização das restrições na sexta-feira, 21, apesar das infecções recordes, o governo também disse que as pessoas devem tomar doses de reforço após cinco meses para manter os passes que lhes permitem acessar bares ou cinemas.

Os passes, obrigatórios para quem deseja entrar em um restaurante, museu ou muitos outros espaços públicos, provocaram forte oposição entre alguns belgas.

Imagens de vídeo mostraram manifestantes vestidos de preto atacando um prédio usado pelo serviço diplomático da União Europeia, arremessando projéteis em sua entrada e quebrando janelas. Manifestantes antivacinação também marcharam em Barcelona.

Os protestos seguiram manifestações em outras capitais europeias no sábado, que também atraíram milhares de manifestantes contra passaportes de vacinas e outras exigências que os governos europeus impuseram à medida que as infecções diárias e as hospitalizações aumentam devido à variante Ômicron.

Em Bruxelas, policiais vestindo coletes à prova de balas, capacetes e carregando escudos atacaram repetidamente após manifestantes ignorarem as instruções para se dispersar. Caminhões com canhões de água dispararam jatos poderosos e rastros sinuosos de gás encheram o ar na capital belga. Segundo a polícia de Bruxelas, 50.000 pessoas se participaram dos protestos.

Alguns manifestantes soltaram fogos de artifício enquanto a polícia avançava em um parque próximo, onde grandes grupos de manifestantes se reuniram.

Um líder do protesto gritou em um alto-falante: "Vamos, pessoal! Não deixe que tirem seus direitos!" enquanto os policiais enfrentavam manifestantes que lançavam projéteis e insultos.

"Estou com raiva da chantagem que o governo está fazendo, com todos, mas principalmente com os jovens. Eles estão realmente chantageando para que todos tenham que ir tomar a vacina", disse Caroline van Landuyt, que afirmou já ter sido vacinada contra a covid-19.

"Fiquei com muita raiva porque meus filhos tiveram que tomar a vacina. Eles querem viajar, querem fazer competições esportivas, e não podem fazer isso sem vacina, mas não queriam, é só chantagem", adicionou.

Alguns manifestantes assediaram uma equipe de vídeo que cobria a marcha para a agência de notícias Associated Press, empurrando e ameaçando os jornalistas e danificando seus equipamentos de vídeo. Um manifestante chutou um dos jornalistas e outro tentou socá-lo.

A Bélgica está no meio de uma quinta onda de infecções por covid-19, sem expectativas de alcançar o pico por pelo menos algumas semanas. Quase 77% da população da Bélgica foi totalmente vacinada e 53% recebeu uma dose de reforço, de acordo com o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças. A Bélgica viu mais de 28.700 mortes por covid-19 na pandemia.

Protestos contra medidas sanitárias na Bélgica

Protestos contra medidas sanitárias na Bélgica (Thierry Monasse/Getty Images)

Protestos em Barcelona e Washington

Manifestantes antivacinação também marcharam na Espanha. No centro de Barcelona, ??os manifestantes usavam fantasias e agitavam faixas com os dizeres "Não é uma pandemia, é uma ditadura", enquanto marchavam contra as restrições impostas pelas autoridades nacionais e regionais para conter o aumento de casos de covid-19.

Entre os participantes estavam pessoas que rejeitam vacinas e aquelas que negam a existência ou a gravidade do vírus. Poucos usavam máscaras de proteção, que atualmente são obrigatórias ao ar livre na Espanha. A polícia disse que 1.100 pessoas compareceram.

A Espanha, um país de 47 milhões de pessoas, registrou oficialmente mais de 9 milhões de casos de coronavírus, embora se acredite que o número real seja muito maior. Quase 92.000 pessoas morreram na Espanha desde o início da pandemia. Com mais de 80% dos residentes da Espanha vacinados, especialistas creditam as vacinas por salvar milhares de vidas e evitar o colapso total de seu sistema de saúde.

Milhares de manifestantes de vários locais dos Estados Unidos - incluindo alguns dos maiores nomes do movimento antivacinação - também marcharam até a capital Washington neste domingo.

Uma multidão de manifestantes, muitos sem máscaras, protestavam condenando os mandatos de vacinação no meio de uma cidade que adotou a obrigação de máscaras e vacinas para reduzir infecções e mortes devido ao surto da variante Ômicron do vírus, que tem atingido a capital há semanas.

Os organizadores estimaram que 20.000 pessoas compareceriam ao comício, marchando do Monumento de Washington ao Memorial de Lincoln, de acordo com uma autorização emitida pelo National Park Service. Uma multidão menor, de alguns milhares, se reuniu no início da tarde de domingo.

Os manifestantes carregavam cartazes e bandeiras que incluíam declarações falsas como "As vacinas são armas biológicas de matança em massa" e "Trump venceu".