Presidente do Líbano pede proclamação de "estado laico"

Michel Aoun comprometeu-se a pedir diálogo entre autoridades religiosas e dirigentes políticos, o que provavelmente implicará em uma reforma constitucional

O presidente Michel Aoun afirmou, neste domingo (30), que "chegou a hora" de declarar o Líbano como um "estado laico", durante um discurso por ocasião do centenário do país.

"Peço a proclamação do Líbano como um Estado laico", disse Aoun no discurso, no qual apontou que o país precisa "mudar o sistema", após a enorme explosão no porto de Beirute no início de agosto e de meses de profunda crise econômica.

Aoun fez este apelo ao assegurar que está "convencido" de que "só um Estado laico é capaz de proteger o pluralismo, preservá-lo, transformando-o em unidade verdadeira".

O presidente libanês fez estas declarações às vésperas de uma visita de seu contraparte francês, Emmanuel Macron, que já tinha se declarado favorável a profundas reformas no país do Oriente Médio, ao visitar Beirute pouco após a mortal explosão ocorrida no porto da cidade em 4 de agosto.

O líder do movimento xiita Hezbollah, Hassan Nasrallah, também afirmou neste domingo que está disposto a discutir um novo "pacto político" no Líbano, onde as comunidades religiosas compartilham o poder em um sistema complexo.

Aoun havia ignorado até agora as reivindicações do movimento de contestação libanês, que surgiu em outubro de 2019.

Mas na noite deste domingo, comprometeu-se a "pedir um diálogo entre as autoridades religiosas e os dirigentes políticos para encontrar uma fórmula aceitável para todos", que provavelmente implicaria uma reforma constitucional.

Macron criticou na sexta-feira "os limites de um sistema confessional", que levou o Líbano a "uma situação em que praticamente não há regeneração (política) e na qual é quase impossível aplicar reformas".

Após a explosão devastadora no porto de Beirute, que deixou pelo menos 188 mortos, a comunidade internacional aumentou a pressão sobre os dirigentes libaneses para que impulsionem uma ambiciosa reforma em um país que atravessa uma profunda crise política, econômica e social.

Mais da metade da população do Líbano pode ter dificuldades para conseguir comida devido ao agravamento da crise econômica no país e à destruição de grande parte da infraestrutura portuária da capital, advertiu a ONU neste domingo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.