Líbano investigará "foguete ou bomba" na explosão do porto de Beirute

Michel Aoun havia dito que o material explosivo estava guardado no porto de Beirute de forma negligente. Vinte pessoas já foram presas
 (Anadolu Agency/Getty Images)
(Anadolu Agency/Getty Images)
R
Redação EXAME

Publicado em 08/08/2020 às 09:50.

Última atualização em 08/08/2020 às 10:53.

O presidente do Líbano disse na sexta-feira que uma investigação sobre a maior explosão da história de Beirute apontaria se a causa foi uma bomba ou outra interferência externa, enquanto os residentes buscavam reconstruir casas e vidas destruídas.

As equipes de resgate vasculharam os escombros em uma corrida para encontrar alguém ainda vivo após a explosão do porto de terça-feira que matou 154 pessoas, feriu 5.000, destruiu uma faixa da cidade mediterrânea e enviou ondas de choque sísmicas ao redor da região.

“A causa ainda não foi determinada. Existe a possibilidade de interferência externa por meio de um foguete ou bomba ou outro ato”, disse o presidente Michel Aoun à mídia local, segundo a CNBC.

Aoun, que havia dito anteriormente que o material explosivo foi armazenado de forma insegura por anos no porto, disse que a investigação também pesaria se a explosão foi causada por negligência ou acidente. Vinte pessoas foram detidas até agora. Uma fonte disse que uma investigação inicial apontou a negligência.

Enquanto os Estados Unidos disseram que não descartam um ataque, Israel, que travou várias guerras com o Líbano, negou qualquer responsabilidade. O presidente turco, Tayyip Erdogan, disse que a causa não era clara, mas comparou a explosão a um bombardeio de 2005 que matou o ex-primeiro ministro Rafik al-Hariri.

Sayyed Hassan Nasrallah, líder do poderoso grupo xiita libanês Hezbollah, negou o que disse serem comentários "preconcebidos" tanto internamente quanto no exterior de que o grupo apoiado pelo Irã tinha armas armazenadas no porto.

Ele pediu uma investigação justa e responsabilidade estrita para todos os responsáveis, sem qualquer cobertura política.

“Mesmo se um avião bater, ou se for um ato intencional, se for apontado que esse nitrato estava no porto há anos, isso significa que parte do caso é absolutamente negligência e corrupção”, disse ele.

Na mesquita Mohammad Al-Amin de Beirute, próximo ao túmulo de Hariri, o clérigo chefe Amin Al Kurdi disse aos fiéis em um sermão na sexta-feira que os líderes libaneses eram responsáveis.

"Quem é o criminoso, quem é o assassino por trás da explosão de Beirute?" ele disse. "Somente Deus pode proteger, não os corruptos ... O exército apenas protege os líderes."

As forças de segurança dispararam gás lacrimogêneo contra uma multidão em Beirute na quinta-feira, enquanto a raiva fervia na elite governante, que presidiu um colapso econômico. Um pequeno grupo protestou atirando pedras.

“Não há como reconstruir esta casa. Onde fica o estado? disse Tony Abdou, um desempregado de 60 anos.

A casa de sua família fica em Gemmayze, um distrito a algumas centenas de metros dos armazéns onde 2.750 toneladas de nitrato de amônio foram armazenadas por anos perto de uma área densamente povoada.

Os voluntários varreram detritos das ruas de Beirute, que ainda carregam cicatrizes de uma guerra civil que durou de 1975 a 1990.

"Nós realmente temos um governo aqui?" disse o taxista Nassim Abiaad, 66 anos, cujo táxi foi esmagado pelos destroços quando ele estava prestes a entrar. “Não há mais como ganhar dinheiro.”

Para muitos, a explosão foi sintomática de anos de abandono e corrupção. “O problema é este governo e todos os governos anteriores a ele”, disse Mohammed Kalifa, 31 anos.

Autoridades disseram que a explosão, cujo impacto foi registrado a centenas de quilômetros de distância, pode ter causado prejuízos de 15 bilhões de dólares. Essa é uma conta que o Líbano não pode pagar depois de já ter dado o calote em uma montanha de dívidas - excedendo 150% da produção econômica - e com as negociações paralisadas sobre uma tábua de salvação do Fundo Monetário Internacional.

Hospitais, muitos deles fortemente danificados com as ondas de choque que arrancaram janelas e tetos, estavam superlotados.

“Eu vivi parte da guerra civil. Eu vi pessoas sendo baleadas na minha frente. Mas nunca houve tamanho horror”, disse o médico Assem Al Hajj, do hospital Clemenceau de Beirute.

Enquanto os resgatadores exaustos vasculhavam os destroços para encontrar sobreviventes, pessoas enlutadas acamparam do lado de fora do porto onde seus familiares foram vistos pela última vez. Algumas vítimas foram jogadas no mar por causa da força explosiva.

“Gostaríamos de entrar no porto para procurar meu filho, mas não conseguimos permissão”, disse Elias Marouni, descrevendo seu filho George, um oficial do exército de 30 anos.

Uma mãe chorando ligou para um programa de TV do horário nobre para implorar às autoridades que encontrassem seu filho, Joe. Ele foi encontrado horas depois, morto.

No distrito de Karantina, em Beirute, uma equipe de resgate polonesa fez uma pausa perto de um prédio de três andares que foi completamente destruído. Uma mulher e suas duas filhas adolescentes foram mortas, disse um vizinho.

Charbel Abreeni, que treinou funcionários do porto, mostrou fotos da Reuters em seu telefone de colegas mortos. Ele estava sentado em uma igreja onde a cabeça de uma estátua da Virgem Maria foi estourada.

“Eu conheço 30 funcionários do porto que morreram, dois deles são meus amigos próximos e um terceiro está desaparecido”, disse o homem de 62 anos, cuja casa foi destruída. Sua canela estava enrolada em uma bandagem.

"Não tenho para onde ir, exceto a família da minha esposa", disse ele. Como você pode sobreviver aqui? A economia é zero”, afirmou.

Depois que a explosão destruiu o único grande silo de grãos do Líbano, as agências da ONU ajudaram a fornecer alimentos de emergência e ajuda médica.

Ofertas de ajuda também chegaram de estados árabes, nações ocidentais, do Vaticano e de outros lugares. Mas nenhum, até agora, aborda os maiores desafios que uma nação falida enfrenta.