Polícia chinesa prende líderes e membros de igreja protestante ilegal

Um dos líderes da igreja protestante afirmou que mais de 100 pessoas foram detidas

Pequim - A polícia da China deteve dezenas de fiéis e líderes de uma das igrejas protestantes "domésticas" mais destacadas do país, disseram membros da congregação e ativistas, na ação governamental mais recente contra grupos religiosos sem registro.

Equipes da polícia e autoridades da segurança estatal de Chengdu, cidade do sudoeste do país, foram às casas de líderes e membros da Igreja da Aliança Chuva Matutina na noite de domingo e os detiveram, segundo anúncios da igreja enviados a membros e transmitidos à Reuters por frequentadores e ativistas.

"A hora chegou. Ó, Senhor! Não estabelecestes esta igreja para este exato objetivo?", disse a igreja em um de seus anúncios. "Esperaremos por Ti, como quem mantém vigília pela aurora".

Acredita-se que mais de 100 pessoas foram detidas, disse um líder da igreja, que não quis se identificar.

Nem o Ministério da Segurança Pública de Chengdu nem seu equivalente federal responderam a perguntas enviadas por fax pedindo comentários.

A Constituição chinesa garante a liberdade religiosa, mas desde que o presidente Xi Jinping tomou posse seis anos atrás o governo vem restringindo religiões que se acredita desafiarem a autoridade do governista Partido Comunista.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também