Pesquisadora chinesa é presa nos EUA acusada de ligações com exército

Quatro cidadãos chineses foram acusados de espionagem pelo Departamento de Justiça (DoJ) dos Estados Unidos na quinta-feira

Uma pesquisadora chinesa foi presa por autoridades americanas na sexta-feira, 25, acusada de esconder sua ligação com as forças armadas da China em seu pedido de visto de trabalho. Juan Tang, 37, está detida na Califórnia e será indiciada por fraude na próxima segunda-feira, em mais um capítulo das tensões geopolíticas entre os governos de Washington e Pequim.

Juan foi um de quatro cidadãos chineses acusados de espionagem pelo Departamento de Justiça (DoJ) dos Estados Unidos na última quinta-feira, 23, ao esconderem suas ligações com o exército chinês. De acordo com a pasta, a pesquisadora omitiu sua ligação com as forças armadas ao pedir o visto, em outubro do ano passado, para trabalhar em uma universidade americana, e em depoimento ao FBI, meses depois.

Os agentes federais revisaram fotos de Juan em publicações chinesas, vestindo uniforme militar, para confirmar a acusação. O DoJ acredita que Juan estava planejando pedir proteção ao consulado da China em São Francisco com a deterioração na relação das relações diplomáticas entre os dois países.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.