OSCE afirma que democracia sofre retrocesso na Ucrânia

As eleições legislativas no país conteceram sem a participação da detida líder opositora Yulia Timoshenko

Kiev – A democracia sofreu um retrocesso nas eleições legislativas de domingo na Ucrânia, que aconteceram sem a participação da detida líder opositora Yulia Timoshenko, afirmou um observador da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE).

“Se levarmos em consideração o abuso de poder e o excessivo papel do dinheiro nestas eleições, o processo democrático parece ter registrado um retrocesso na Ucrânia”, disse Walburga Habsburg Douglas, da coordenação especial da OSCE.

“Você não deveria ter que visitar uma prisão para ouvir uma das principais figuras políticas do país”, completou, em referência à ex-primeira-ministra Timoshenko, condenada em agosto de 2011 por abuso de poder.

O presidente Viktor Yanukovich é muito criticado pela condenação, que para Timoshenko, líder da Revolução Laranja en 2004, e para os países ocidentais foi uma represália do presidente.

O Partido das Regiões, de Yanukovich, lidera a apuração das eleições após a contagem de 50% das urnas, com 35% dos votos, seguido pela aliança de oposição Batkivshina, liderada pela ex-premier presa Yulia Timoshenko, com 22%, segundo a Comissão Eleitoral.

O Partido Comunista da Ucrânia aparece em terceiro lugar, com 15% de votos, seguido pelo partido Udar, do célebre boxeador Vitali Klitschko, com 13% dos votos, e pela formação nacionalista Svoboda, com 6%.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.