Oposição ucraniana anuncia que participará de mesa-redonda

Oposição ucraniana anunciou que participará da mesa-redonda nacional com o presidente do país, Viktor Yanukovich

Kiev - A oposição ucraniana anunciou nesta sexta-feira que participará da mesa-redonda nacional com o presidente do país, Viktor Yanukovich, para encontrar uma saída para a crise provocada pelos protestos antigovernamentais.

"Vamos para a mesa-redonda", disse Vitali Klitskchko, líder do partido opositor UDAR (Golpe em ucraniano), durante um comício na Praça da Independência, em Kiev.

A presidência ucraniana divulgou que Yanukovich participará hoje da mesa-redonda liderada pelo presidente da Ucrânia, Leonid Kravchuk.

Até agora os dirigentes opositores tinham se negado a participar do fórum, que já contou com duas sessões, na terça-feira e na quarta-feira, ao considerar que a comunidade internacional deve estar representada.

Klitschko ressaltou que a oposição participará da mesa-redonda com a intenção de "escutar uma resposta" para suas demandas: renúncia do governo, libertação dos presos, castigo para os responsáveis pela repressão policial e eleições presidenciais e parlamentares antecipadas.

"Só poderemos sair da crise com um "reset" das autoridades", disse.

Além de Klitschko, campeão mundial dos pesos pesados, a reunião contará com a presença do líder parlamentar do principal partido opositor Batkivschina e do nacionalista Oleg Tiagnibok.

"Apresentaremos às autoridades nossas reivindicações e que é inaceitável a dissolução das manifestações pacíficas", afirmou Tiagnibok.


Segundo a presidência, também participarão do encontro no Palácio Nacional das Artes de Kiev políticos de diversas tendências, assessores, estudantes, artistas e sindicalistas.

Yanukovich expressou nesta quarta-feira sua intenção de participar do fórum proposto por Kravchuk e pediu que a oposição a não desse as costas ao diálogo e "não tomasse o caminho do confronto".

A chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, e a secretária adjunta para Assuntos Europeus e Eurasiáticos do Departamento de Estado americano, Victoria Nuland, pediram nesta semana em Kiev que Yanukovich converse urgentemente com a oposição.

O ministro das Relações Exteriores, Leonid Kozhar, rejeitou ontem a possibilidade de uma mediação internacional para buscar uma saída para a crise.

"Acho que esta é uma medida extrema que demonstraria a incapacidade tanto do governo como da oposição de manter conversas construtivas", argumentou.

*Atualização às 11h20 do dia 13/12/2013

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.