ONU registra 77 ex-guerrilheiros das Farc assassinados em 2019

O número total de assassinatos desde a assinatura do Acordo Final de Paz, em 2016, agora é de 173, além de 14 desaparecimentos e 29 tentativas de homicídio

Bogotá — O secretário-geral da ONU, António Guterres, informou nesta terça-feira que pelo menos 77 ex-guerrilheiros das Farc foram assassinados na Colômbia neste ano, elevando para 173 o total desde que a paz foi assinada com o governo, em novembro de 2016.

"O número total de assassinatos desde a assinatura do Acordo Final de Paz agora é de 173, além de 14 desaparecimentos e 29 tentativas de homicídio", diz o documento publicado em Bogotá e que será apresentado ao Conselho de Segurança da ONU em Nova York no dia 13 de janeiro de 2020.

No relatório, Guterres reitera o pedido por "medidas mais eficazes para proteger a vida dos ex-combatentes, especialmente levando em conta que 2019 foi o ano mais violento para os ex-membros".

O documento, que faz um balanço dos progressos realizados na implementação do acordo de paz em relação à reincorporação econômica, social e política dos membros das Farc no último trimestre do ano, tem uma grande parte dedicada à situação de segurança dos antigos guerrilheiros.

Durante o período analisado, de 27 de setembro a 26 de dezembro de 2019, "a Missão de Verificação verificou 20 homicídios de ex-membros das Farc, somando 77 homicídios em 2019, 65 em 2018 e 31 em 2017".

Entre esses crimes, se destaca como "particularmente preocupante" o de Alexander Parra Uribe, conhecido como "Rodolfo Fierro", assassinado no dia 24 de outubro no antigo Espaço Territorial de Capacitação e Reincorporação (ETCR) de Mesetas, no departamento de Meta (centro).

Parra Uribe era "um líder respeitado" naquele território e foi "o primeiro assassinato a ocorrer dentro do perímetro de proteção de um antigo ETCR", lembrou a ONU.

"Apesar das melhorias gerais na segurança desde a assinatura do acordo de paz, os numerosos casos que continuam a ocorrer em algumas regiões confirmam o desafio ainda pendente de estabilizar os territórios", acrescenta o documento.

Essa tarefa é especialmente necessária "em áreas onde a presença limitada do Estado deixou vazios institucionais e onde a falta de oportunidades econômicas os deixou vulneráveis às economias lícitas".

O relatório também observa que, desde a assinatura do acordo de paz, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos "verificou 303 assassinatos de defensores dos direitos humanos e líderes sociais, 86 deles em 2019 (incluindo 12 mulheres)".

"O secretário-geral da ONU enfatiza que a segurança dos líderes sociais e defensores dos direitos humanos, assim como dos ex-combatentes, está intrinsecamente ligada à segurança de suas comunidades", acrescenta o texto.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.