ONU reduz balanço de atentado na Nigéria para 21 mortos

Na sexta-feira, um terrorista avançou com um carro-bomba contra a entrada do prédio da ONU e provocou uma grande explosão

O balanço de mortos no ataque suicida executado na sexta-feira contra a sede da ONU em Abuja foi reduzido de 23 para 21, informou a Organização das Nações Unidas neste domingo.

"O novo balanço é de 21 mortos e 73 feridos, 26 deles em cuidados intensivos", afirmou a secretária-geral adjunta da ONU, Asha-Rose Migiro, que neste domingo visitou o prédio atacado.

"É um ataque contra a paz mundial e contra a humanidade, porque os que trabalham aqui procedem de diversos países", declarou a funcionária.

Na sexta-feira, um terrorista avançou com um carro-bomba contra a entrada do prédio da ONU e provocou uma grande explosão.

Pela manhã, a ONU havia divulgado que o número de mortos haia subido para 23 e o de feridos para 81.

A secretária-geral adjunta da ONU, Asha-Rose Migiro, denunciou um ataque "contra a humanidade" durante uma visita ao prédio neste domingo.

"É um ataque contra a paz mundial e contra a humanidade, porque os que trabalham aqui procedem de diversos países", declarou a funcionária.

Um homem que se apresentou como porta-voz da seita islâmita Boko Haram, um grupo violento responsável por vários ataques, em particular no norte da Nigéria, reivindicou o atentado.

A polícia nigeriana permanece em estado de alerta e investiga o ataque, um dos mais violentos contra uma representação da ONU na última década.

Altos funcionários das Nações Unidas devem viajar de Nova York à capital nigeriana nas próximas horas para acompanhar os trabalhos.

O presidente do país, Goodluck Jonathan, visitou neste sábado a área do prédio da ONU, em meio a um importante dispositivo de segurança.

"Uma coisa é certa, um ataque terrorista contra qualquer indivíduo ou grupo é um ataque terrorista contra o resto do mundo, não se trata apenas do prédio da ONU", declarou Jonathan.

Vinte funcionários retornaram neste sábado ao local com a esperança de poder recuperar alguns objetos pessoais.

Em Abuja, onde foram instalados vários postos de controle, a polícia patrulhava a cidade, ao mesmo tempo que a segurança ao redor dos edifícios considerados sensíveis era reforçada, como prédios oficiais, embaixadas e hotéis, informou à AFP o porta-voz adjunto da Polícia Federal, Yemi Ajayi.

Ao comentar a investigação, Ajayi afirmou que a polícia não prioriza a reivindicação do Boko Haram.

"A investigação prossegue, não desejamos nos concentrar em apenas uma pista", afirmou Ajayi, que confirmou que a polícia está em alerta em todo o território.

A Nema afirmou que todas as pessoas que estavam no prédio da ONU no momento do ataque foram retiradas, mas fontes do governo temem outras vítimas nos escombros do edifício.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.