O futuro do iPhone; O futuro da Espanha…

Segunda-feira, 13

– Começa o evento mundial de desenvolvedores da empresa de tecnologia Apple, em São Francisco na Califórnia. Desta vez, o foco deve ser em software, não em hardware, principalmente em produtos para o iPhone. No último relatório trimestral, a Apple apresentou a primeira queda de vendas de iPhones desde que começou a vender o celular. Novidades são bem-vindas.

– Líderes dos quatro maiores partidos espanhóis participam de debate televisivo sobre as eleições parlamentares marcadas para o 26. O primeiro-ministro Mariano Rajoy também participa da discussão. Em maio, o parlamento espanhol foi dissolvido pelo rei Felipe VI após não chegar a um consenso sobre a eleição de um novo primeiro ministro.

Terça-feira, 14

– O Departamento de Comércio dos Estados Unidos divulga os preços do varejo. Espera-se um aumento pelo segundo mês consecutivo em maio, indicando que os consumidores americanos estão menos apreensivos em gastar.

– Embora, na teoria, tudo já esteja decidido, os eleitores de Washington D.C. vão às urnas na última primária da corrida eleitoral norte-americana. Depois, a democrata Hillary Clinton e o republicano Donald Trump se preparam para escolher seus vices.

– A exposição de video-games E3 acontece pela 22ª vez em Los Angeles na Califórnia. É o maior evento do mundo voltado para jogos de computador, celular e consoles. Na E3 as companhias da indústria de jogos divulgam novos produtos e apresentam cases e inovações. Este ano, alguns dos focos devem estar no novo Xbox, da Microsoft, e no PS4, da Sony.

Quarta-feira, 15

– Termina na quarta-feira a reunião do banco central americano, o Federal Reserve. A expectativa é que a taxa de juros do país seja mantida entre 0,25% e 0,50%. A expectativa principal é pelo discurso da presidente do banco, Janet Yellen, para ajustar as projeções de alta para os próximos meses.

– A Rússia divulga o PIB preliminar do primeiro trimestre. Analistas estima queda de 1,2% no PIB russo, que vem de uma série de quedas, com um pico de -1,3% no segundo trimestre do ano passado. De acordo com estimativas do FMI, a produção russa deve fechar o ano com queda de 1% e começar a se recuperar em 2017.

– Os Comitês de Política Monetária do Banco do Japão, do Banco Central Suíço e do Banco da Inglaterra anunciam a decisão sobre a taxa de juros desses países. A previsão é de que elas permaneçam estáveis. A atenção maior é para o Japão e a Suíça, que mantém suas taxas no negativo, enquanto a do Reino Unido permanece em 0,50%. No Japão a taxa é de -0,10% e na Suíça é de -0,75% – a mais negativa do mundo.

Quinta-feira, 16

– O comitê de política monetária do Banco Central do Reino Unido deve manter a taxa de juros básica em 0,5%. É o recorde mínimo no país até agora. A decisão é tomada frente ao referendo que os britânicos votam no dia 23 sobre a saída da União Europeia. O comitê deve divulgar também um pequeno relatório sobre a situação econômica.

– Tem início o Forum Econômico Mundial na América Latina, em Medelín, na Colômbia. Participam os presidentes Mauricio Macri, da Argentina, e Juan Manuel Santos, da Colômbia. Com a estagnação do crescimento de vários países latinos, queda no preço das commodities e baixas taxas de poupança, a pauta gira em torno da crise que passam os países do continente e da pressão macroeconômica que sofrem.

– Ministros da Fazenda de toda a Europa se reúnem em Luxemburgo para discutir se a Grécia vem cumprindo as condições impostas pelo Banco Central Europeu para o auxílio financeiro solicitado pelo país.

Sexta-feira, 17

– A Federação Internacional de Atléticos Associados (IAAF) decide em Viena se toda a confederação russa deve ou não competir nas Olimpíadas do Rio de Janeiro. Os russos foram banidos no ano passado após o maior escândalo com dopping da IAAF.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.