• AALR3 R$ 20,15 -0.25
  • AAPL34 R$ 68,68 2.85
  • ABCB4 R$ 16,86 1.02
  • ABEV3 R$ 14,11 0.64
  • AERI3 R$ 3,88 6.59
  • AESB3 R$ 10,88 1.68
  • AGRO3 R$ 30,93 0.62
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,43 2.21
  • ALUP11 R$ 27,15 1.31
  • AMAR3 R$ 2,49 3.32
  • AMBP3 R$ 31,36 4.36
  • AMER3 R$ 24,17 2.98
  • AMZO34 R$ 65,80 -1.26
  • ANIM3 R$ 5,59 2.57
  • ARZZ3 R$ 79,81 -1.91
  • ASAI3 R$ 15,89 -0.44
  • AZUL4 R$ 21,98 4.17
  • B3SA3 R$ 12,13 0.75
  • BBAS3 R$ 38,50 4.05
  • AALR3 R$ 20,15 -0.25
  • AAPL34 R$ 68,68 2.85
  • ABCB4 R$ 16,86 1.02
  • ABEV3 R$ 14,11 0.64
  • AERI3 R$ 3,88 6.59
  • AESB3 R$ 10,88 1.68
  • AGRO3 R$ 30,93 0.62
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,43 2.21
  • ALUP11 R$ 27,15 1.31
  • AMAR3 R$ 2,49 3.32
  • AMBP3 R$ 31,36 4.36
  • AMER3 R$ 24,17 2.98
  • AMZO34 R$ 65,80 -1.26
  • ANIM3 R$ 5,59 2.57
  • ARZZ3 R$ 79,81 -1.91
  • ASAI3 R$ 15,89 -0.44
  • AZUL4 R$ 21,98 4.17
  • B3SA3 R$ 12,13 0.75
  • BBAS3 R$ 38,50 4.05
Abra sua conta no BTG

Mortes por coronavírus passam de 200 mil no mundo

Com mais de 50 mil vítimas, os EUA lideram os países que mais registraram óbitos pela covid-19
Coronavírus: doença faz vítimas em todo o mundo, enquanto cientistas correm contra o tempo para encontrar uma vacina eficiente contra o vírus (Reuters/Bruno Kelly)
Coronavírus: doença faz vítimas em todo o mundo, enquanto cientistas correm contra o tempo para encontrar uma vacina eficiente contra o vírus (Reuters/Bruno Kelly)
Por Da redação, com AFPPublicado em 25/04/2020 15:15 | Última atualização em 25/04/2020 15:45Tempo de Leitura: 4 min de leitura

O mundo atingiu as 200.000 mortes decorrentes do novo coronavírus, neste sábado, 25, segundo monitoramento da Universidade Jhons Hopkins. Já os casos confirmados da doença se aproximam dos 3 milhões.

Com mais de 50 mil vítimas, os EUA lideram os países que mais registraram óbitos pela covid-19, seguido por Itália, com 26.384, Espanha, com 22.902 mortos, França, com 22.245, e Reino Unido, com 20.319.

Ao passo que a pandemia se alastra, a ONU une esforços internacionais para encontrar uma vacina acessível a todos, a única maneira de conter a pandemia, que também afunda as economias.

Superar a atual pandemia, que força metade da população a ficar confinada e expõe o planeta a uma recessão sem precedentes, representará o "maior esforço de saúde pública da história", disse na sexta-feira o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres.

As vacinas devem ser seguras, acessíveis e disponíveis para todos, enfatizou Guterres em uma reunião virtual, na qual participaram os líderes da França e da Alemanha, mas não os da China, berço da pandemia, nem dos Estados Unidos, que acusam a OMS de não agir suficientemente cedo sobre a crise.

E, neste sábado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) advertiu que não há provas de que pessoas que testaram positivo para a covid-19 estejam imunizadas, considerando que os chamados "passaportes de imunidade" podem favorecer a propagação da pandemia.

"Não há, neste momento, provas de que as pessoas que se curaram da COVID-19 e que têm anticorpos estejam imunizadas para uma segunda infecção", apontou em comunicado.

Enquanto na Europa a curva de contágio parece entrar em uma fase descendente e na América Latina em uma ascendente, a OMS lançou uma "colaboração histórica" para acelerar a produção de vacinas e tratamentos contra a covid-19, explicou seu diretor, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

A corrida já começou nos laboratórios, com meia dúzia de ensaios clínicos, especialmente no Reino Unido e na Alemanha.

No entanto, uma catástrofe esconde outra: cerca de 400.000 pessoas podem morrer neste ano de malária devido aos problemas de distribuição de mosquiteiros e medicamentos que o coronavírus está causando, alertou a OMS.

No Zimbábue, o número de casos de malária aumentou quase 50% em comparação com o ano passado.

Segunda onda

A iniciativa da ONU foi anunciada um dia após a consternação provocada pelo presidente americano, Donald Trump, ao sugerir que a covid-19 poderia ser tratada com desinfetante industrial.

Diante da comoção - especialistas e fabricantes foram rápidos em alertar contra esse experimento - o presidente garantiu mais tarde que falou "sarcasticamente".

Os Estados Unidos, que registraram a primeira morte relacionada ao coronavírus no início de fevereiro, é o país mais afetado, com 9024.576 casos confirmados e 52.782 mortes.

A OMS continua insistindo que não é hora de baixar a guarda e que uma segunda onda pandêmica pode ocorrer a qualquer momento.

A Alemanha, um dos primeiros países da Europa a iniciar o desconfinamento, já se prepara com a construção pelo Exército de um hospital com mil leitos adicionais em Berlim.

A pandemia também continua devastando as economias, forçando as autoridades a tentar desenvolver planos para incentivar a recuperação rapidamente.

O colapso do petróleo, devido à falta de demanda causada pela desaceleração econômica ligada às medidas de confinamento, levou o barril venezuelano a US$ 9,9, seu nível mais baixo em duas décadas.

Mais de 26 milhões de americanos ficaram desempregados desde meados de março e, segundo previsões do Escritório de Orçamento do Congresso (CBO), o PIB da primeira economia do mundo contrairá 12% no segundo trimestre do ano.

Trump assinou na sexta um novo plano de ajuda de US$ 483 bilhões para pequenas e médias empresas e hospitais.

Na Europa, os 27 são incapazes de chegar a um acordo sobre um vasto plano para impulsionar a economia.

E no setor do turismo, onde até 75 milhões de empregos estão ameaçados, os países do G20 se comprometeram na sexta-feira a "apoiar o impulso econômico".