Menino sírio visita Real Madrid e conhece Cristiano Ronaldo

O menino refugiado que, junto com o pai, foi agredido por uma jornalista na Hungria, conheceu as instalações do clube e seu maior ídolo

	O pequeno Zaid, seu pai Osama Abdul al-Mohsen, e irmão Mohammad conheceram os jogadores do Real Madrid
 (Divulgação/Real Madrid)
O pequeno Zaid, seu pai Osama Abdul al-Mohsen, e irmão Mohammad conheceram os jogadores do Real Madrid (Divulgação/Real Madrid)
D
Da RedaçãoPublicado em 18/09/2015 às 16:23.

Madri - O pequeno Zaid, que junto com o pai foi agredido por uma jornalista na fronteira entre Sérvia e Hungria, conheceu nesta sexta-feira as instalações do Real Madrid, onde realizou o sonho de conhecer o maior ídolo, Cristiano Ronaldo.

Vestindo a camisa do Real Madrid, acompanhado do pai, Osama Abdul al-Mohsen, e do irmão Mohammad, o menino de 7 anos, foi recebido pelo presidente Florentino Pérez, que o guiou pelas instalações 'blancas', incluíndo a sala de troféus e o gramado do centro de treinamentos.

Depois de brincar por alguns instantes com a bola, Zaid teve a chance de tirar uma fotografia com o craque, e também com Pepe, Luca Modric, Toni Kroos, entre outros, conforme divulgou o Real Madrid, por meio de seu site.

A família refugiada, de origem síria, foi convidada para assistir de perto a partida do clube da capital com o Granada, pela quarta rodada do Campeonato Espanhol, que acontecerá neste sábado, no estádio Santiago Bernabéu.

As imagens de Osama Abdul al-Mohsen e Zaid rodaram todo o mundo, depois que uma cinegrafista húngara os derrubou, quando tentavam cruzar a fronteira do país do com a Sérvia.

O presidente do Centro Nacional de Formação de Treinadores do país (Cenafe), Miguel Ángel Galán, ofereceu ao pai de Zaid a chance de fazer uma curso, seguindo a carreira ligada ao futebol, já que na Síria, Osama treinava o Al-Fotuwa.

A dupla, que graças ao dirigente viverá na Espanha, já está ligada ao Getafe, o pai como técnico da escolinha do clube e o filho como atleta das divisões de base.

O Real Madrid foi um dos primeiros clubes oferecer apoio aos refugiados, oferecendo 1 milhão de euros para ajudar os estrangeiros que chegarem à Espanha.