Mais de 100 intoxicados em área conhecida como "Chernobyl chilena"

Em comunicado, a Superintendência do Meio Ambiente (SMA) confirmou na quarta-feira "um novo episódio que afeta a saúde da comunidade desta zona
 (AFP/AFP)
(AFP/AFP)
A
AFP

Publicado em 09/06/2022 às 14:33.

Última atualização em 09/06/2022 às 15:20.

Ao menos 105 pessoas foram intoxicadas desde segunda-feira pela contaminação industrial nas cidades chilenas de Quintero e Puchuncaví, uma região conhecida como "Chernobyl chilena" e que há décadas é afetada por uma crise ambiental provocada pela indústria pesada.

Em comunicado, a Superintendência do Meio Ambiente (SMA) confirmou na quarta-feira "um novo episódio que afeta a saúde da comunidade desta zona, com o registro de 105 pessoas atendidas no Hospital de Quintero, no Atendimento Primária de Saúde (APS) de Quintero e no APS de Puchuncaví".

Na segunda-feira, 75 pessoas, incluindo pelo menos 50 estudantes, foram intoxicadas por uma elevada concentração de dióxido de enxofre (SO2) de 1.327 ug/m³ registrada na Estação de Qualidade do Ar de Quintero, cinco vezes superior à norma.

Quintero e Puchuncaví, duas cidades costeiras que somam quase 50 mil habitantes, foram consideradas "zonas de sacrifício ambiental" desde que o governo chileno decidiu em 1958 relegar a pesca artesanal e a agricultura para converter a região em um polo industrial que hoje abriga quatro usinas termelétricas a carvão e refinarias de petróleo e cobre.

O Ministério Público de Quintero abriu uma investigação após uma denúncia que citou a intoxicação em larga escala de adultos e crianças.

"Uma ordem de investigação foi enviada à Bidema [Brigada de Investigação de Crimes Contra a Saúde Pública e o Meio Ambiente], com um prazo de 30 dias para um relatório", disse Luis Ventura, procurador-geral de Quintero.

As autoridades locais declararam emergência ambiental na região, suspenderam as aulas e proibiram atividades físicas e fontes de calefação.

De acordo com os relatórios médicos, os pacientes apresentaram dor de cabeça, coceira nos olhos e na garganta, além de náuseas.

A organização ambientalista Greenpeace descreveu esta área como a "Chernobyl chilena" depois que em 2018, devido a um grave episódio de contaminação, quase 600 pessoas de Quinteros e Puchuncaví compareceram a centros médicos com um quadro clínico atípico, como vômitos de sangue, dores de cabeça, náuseas, paralisia dos membros, assim como ferimentos na pele das crianças.

O superintendente do Meio Ambiente, Emanuel Ibarra, ordenou na quarta-feira que seis empresas que operam no parque industrial da região adotem medidas "limitar sua atividade produtiva, sem prejudicar o abastecimento básico".

"As novas medidas que estamos ordenando são baseadas na verificação de que os episódios de intoxicação de hoje estão relacionados com a emissão de Compostos Orgânicos Voláteis [COVs] no cinturão industrial de Quintero e Puchuncaví", explicou.

As empresas afetadas são a Usina Gasmar Quintero, o Terminal de Asfaltos e Combustíveis Enex, o Terminal Marítimo de Quintero da Copec — principal empresa de combustíveis do Chile —, o Terminal Marítimo da Empresa Nacional de Petróleo (ENAP), o Terminal Marítimo GNL Quintero e o Terminal Marítimo Oxiquim.

LEIA TAMBÉM: 

Embaixada do Brasil em Kiev confirma morte de brasileiro que lutava na Ucrânia