Londres e Washington querem aumentar pressão sobre Assad

Cameron pediu que a comunidade internacional saia da paralisia provocada pelas divergências entre as potências ocidentais e a Rússia

Os Estados Unidos e a Grã-Bretanha decidiram "aumentar a pressão" sobre o presidente sírio, Bashar al-Assad, para que deixe o poder, afirmou nesta segunda-feira o presidente Barack Obama ao lado do primeiro-ministro David Cameron.

"Juntos, nós iremos continuar com nossos esforços para aumentar a pressão sobre o regime de Assad, fornecer ajuda humanitária aos sírios, reforçar a ajuda à oposição moderada e preparar o caminho para uma Síria democrática sem Bashar al-Assad", afirmou Obama em entrevista coletiva conjunta com Cameron.

O premier britânico pediu que a comunidade internacional saia da paralisia provocada pelas divergências entre as potências ocidentais e a Rússia.

Três dias depois de ter se reunido com o presidente russo, Vladimir Putin, que apoia o regime de Assad, o primeiro-ministro britânico ressaltou que "a história da Síria está sendo escrita com o sangue de seu povo"

"E isto está acontecendo sob nossos olhos", completou.

"É preciso que o mundo chegue a um acordo para acabar com a carnificina. Nenhum de nós tem interesse em ver vidas perdidas, armas químicas sendo utilizadas e a violência ligada ao extremismo se estender", declarou.

Obama seguiu a mesma linha e exortou Moscou a avançar em sua posição.


"Na posição de líder no cenário internacional, a Rússia tem um interesse, e também uma obrigação, de tentar resolver este problema de modo que atinja o resultado que desejamos a longo prazo", insistiu.

Cameron saudou o fato de a Rússia e os Estados Unidos terem chegado a um acordo na semana passada sobre a iniciativa de relançar o processo "de Genebra" para obter uma transição política na Síria.

"Nós reconhecemos o acordo do presidente Putin para reunir os esforços destinados a definir uma solução política. As dificuldades ainda são enormes, mas ainda temos uma janela antes que os piores temores se tornem realidade", acrescentou Cameron, no momento em que o conflito já deixou cerca de 80.000 mortos e começa a se propagar para além das fronteiras da Síria.

"É preciso que os sírios se sentem à mesma mesa para chegarem a um acordo sobre um governo de transição apoiado por todos os sírios", acrescentou Cameron.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também