Líder islamita curdo e mais duas pessoas morrem na Turquia

Ao menos três pessoas morreram durante tiroteio no sudeste do país, o que gerou o temor de uma nova onda de violência

Istambul - Pelo menos três pessoas, entre elas um líder islamita curdo, morreram nesta terça-feira em um confronto a tiros no sudeste da Turquia, o que gerou o temor de uma nova onda de violência entre curdos islamitas e esquerdistas como a do ano passado, que causou dezenas de mortes.

Aytaç Baran, presidente da associação Ihya e membro do partido curdo islamita Hüda-Par, foi assassinado a tiros em um bairro de Diyarbakir, capital da população curda no sudeste da Turquia, aparentemente após um confronto com outro grupo.

Outras duas pessoas que pertenciam a seu entorno político também foram mortas, segundo o jornal "Cumhuriyet", citando um comunicado da Promotoria de Diyarbakir.

Além disso, três pessoas ficaram feridas, duas delas jornalistas, que foram atingidos quando homens armados atiraram para afastá-los do local, informou a emissora "CNNtürk".

A polícia interveio disparando bombas de gás lacrimogêneo contra os atiradores e iniciou uma ampla operação com vários blindados para detê-los.

Horas depois, três suspeitos que portavam pistolas foram detidos, segundo um comunicado do Ministério do Interior, que não esclareceu os motivos do confronto e a qual lado pertenciam.

O advogado de Baran atribuiu a responsabilidade dos fatos a um grupo do YDG-H, ala jovem e urbana do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), tradicionalmente rival das redes islamitas curdas, informa o jornal "Radikal".

O YDG-H rejeitou imediatamente essa responsabilidade em mensagem no Twitter e qualificou o episódio como uma "provocação dos serviços secretos".

Vários simpatizantes do partido islamita Hüda-Par saíram às ruas com fuzis e gritando palavras de ordem contra o PKK, informaram à Agência Efe por telefone algumas testemunhas.

O islamita Hüda-Par, frequentemente considerado sucessor do grupo terrorista curdo Hezbollah (não relacionado com o partido libanês homônimo), obteve só 90 mil votos nas eleições locais de 2014 e não concorreu no pleito geral do domingo passado, mas mantém uma grande influência nas universidades e redes sociais.

Os dirigentes do partido pró-curdo e esquerdista HDP, quarta principal força do parlamento e entre cujo eleitorado há setores próximos à YDG-H, condenaram o assassinato imediatamente e manifestaram condolências à família de Baran.

"Em Diyarbakir se encena um sujo truque. Querem desencadear uma guerra interna. Todos os partidos devem agir com prudência", pediu o codirigente do HDP, Selahattin Demirtas, em mensagem no Twitter.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.