Líbano inclusão do Hezbollah em lista de terroristas da UE

O ministro libanês das Relações Exteriores, Adnan Mansur, definiu como "apressada" a decisão da UE e disse que terá repercussões no Líbano

Beirute - O primeiro-ministro libanês, Najib Mikati, lamentou nesta segunda-feira a decisão da UE de incluir o braço armado do grupo xiita Hezbollah em sua lista de organizações terroristas, embora tenha afirmado que a decisão não afetará os laços entre ambos.

Em comunicado, Mikati afirmou que seu Executivo acompanhará o assunto pela via diplomática, embora tenha dito que "a sociedade libanesa e todas suas partes estão comprometidas com a legalidade internacional e a manutenção das melhores relações com os países da UE".

Por sua vez, o ministro libanês das Relações Exteriores, Adnan Mansur, definiu como "apressada" a decisão da UE e disse que terá repercussões no Líbano.

Mesmo assim, Mansur afirmou que o Gabinete está à espera que a decisão se formalize, já que, na sua opinião, a UE fala sempre da segurança e estabilidade do Líbano, mas vai a adotar uma medida que prejudica ao país.

O ministro considerou que a UE tomou a decisão por "grandes pressões exteriores" e a situação interna do Líbano.

Os ministros da UE chegaram hoje a um acordo para incluir o braço militar do Hezbollah em sua lista de grupos terroristas, em resposta ao atentado suicida cometido supostamente por esta organização há um ano na Bulgária, onde morreram seis pessoas.


O acordo, que foi adotado por unanimidade, apoia considerar a milícia xiita como um grupo terrorista mas, por sua vez, manter a cooperação com o governo do Líbano, o diálogo com todas suas forças políticas ou a provisão de ajuda financeira ou humanitária.

A lista de grupos terroristas da UE é revisada a cada seis meses e a inclusão de uma entidade ou indivíduo é regida por estritos procedimentos legais para permitir defender o caso nos tribunais.

Fontes da UE indicaram que analistas europeus se reuniram também hoje em Bruxelas para começar a preparar as atas legais que respaldarão o acordo político da UE, motivo pelo qual o documento pactuado pelos ministros ainda não se tornará público.

Espera-se que o acordo respalde o Conselho da UE por escrito na quinta-feira de manhã, assim que a Suécia submeter a decisão a um trâmite institucional nacional, de modo que o Diário Oficial da UE o publique na sexta-feira. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.